O tema prisões abre o primeiro dia de debates do Fonacrim

    O painel "Prisões processuais. Prisões temporária e preventiva: requisitos, distinções e jurisprudência" abriu as atividades técnicas do I Fórum Nacional dos Juízes Federais Criminais (FONACRIM).
    A primeira palestrante do dia foi a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia Antunes Rocha. Sobre o tema a ministra disse que atualmente vivemos em “uma sociedade industrial com uma justiça artesanal” e, por isso, é necessário que se pense em um novo modelo de justiça penal. "Precisamos pensar novos modelos de direito. A sociedade quer e precisa de uma justiça sumária, mas enquanto isso não acontece devemos aplicar os conhecimentos jurídicos de forma sábia, eficaz e eficiente".
    A ministra também fez críticas ao sistema carcerário brasileiro. "Hoje, um de nossos problemas mais graves está no sistema carcerário. Lá existe uma inconstitucionalidade flagrante", afirmou. Cármen Lúcia ainda falou sobre o número crescente de habeas corpus julgados pelo STF.
    A ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Maria Thereza de Assis Moura, também falou sobre o número de habeas corpus julgados pelo STJ. Para a ministra, uma das causas desse crescimento se deve a criação da Defensoria Pública. Outro tema exposto pela ministra do STJ foi a prisão cautelar. Ela avaliou que um dos grandes problemas sobre a prisão é a sensação de impunidade.
    "Esses problemas poderiam ser resolvidos através de duas vertentes: uma justiça mais ágil e a fundamentação adequada no momento da análise da necessidade da prisão", afirmou. De acordo com a ministra, "é muito importante que o juiz verifique se estão presentes os pressupostos da cautelaridade para o pedido de prisão, porque a prisão cautelar não pode ser vista como uma forma de antecipar o cumprimento da pena".
    O desembargador Federal do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, Abel Fernandes Gomes, criticou em sua exposição o Projeto de Lei 111 que tramita no Congresso Nacional. "Esse projeto introduz em alguns pontos o esvaziamento da decretação da prisão preventiva com base na garantia da ordem pública".
    Segundo ele, o processo judicial não será mais rápido devido ao próprio trâmite normal dos processos, porém, "é preciso que se possa aferir a gravidade e a culpabilidade do réu com a aplicação do princípio da proporcionalidade que, por si só, já é difícil de ser aplicado. Portanto, engessar o magistrado tirando dele a possibilidade de tomar decisões em prol da sociedade através de um Projeto de Lei me parece equivocado", sustentou.
    O último palestrante do painel foi o subprocurador-geral da República Wagner Gonçalves. Durante sua palestra o subprocurador classificou o momento na execução penal brasileira como delicado.
    Wagner Gonçalves também fez uma análise sobre o número excessivo de habeas corpus que tramita nos Tribunais Superiores. "A gênesis do habeas corpus se dá no direito de ir, vir e permanecer do indivíduo. Mas hoje, o que se vê, é o uso dessa ferramenta constitucional para tudo. Por isso, é preciso que se verifique os limites para o uso do habeas corpus".

    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org