Trabalho de resgate de ossadas no Araguaia impressiona presidente da Ajufe

    O presidente da Associação dos Juízes Federais (Ajufe), observador independente dos trabalhos de localização dos corpos de desaparecidos na Guerrilha do Araguaia, visitou os pontos de escavação na última sexta-feira (02), a convite do ministro da Defesa, Nelson Jobim, em companhia dos membros do comitê interdisciplinar formado pelo governo federal, e voltou do local impressionado com o esforço que está sendo feito para o cumprimento da decisão da juíza federal Solange Salgado, da 1ª Vara da Justiça Federal em Brasília (DF), que determinou a localização dos restos mortais pela União.
    O grupo visitou dois pontos de escavação: Mutuma e Fazenda Bacaba, no Pará. Até agora foram encontrados somente dois corpos, na região de Xambioá. A transformação da região pelo desmatamento é um dos maiores entraves para o êxito dos trabalhos. Os pontos de referência foram perdidos em razão da ocupação humana, com a construção de uma rodovia e a transformação da área de mata em pastagem. Segundo o presidente da Ajufe, o sobrevoo da região permite constatar que a área atualmente assemelha-se ao semi-árido nordestino, com pequenos clarões de mata.
    O trabalho é feito com o auxílio de gente simples - como mateiros e moradores da região - e também por profissionais altamente qualificados, como arqueólogos e antropólogos forenses de diversas universidades do País, além de peritos da Polícia Federal. O Exército limita-se a dar apoio logístico. Fernando Mattos contou que o trabalho de ouvidoria feito pelo Estado do Pará tem resgatado informações que estão sendo usadas na orientação das escavações e também na recomposição histórica do conflito.
    As informações repassadas pelo Exército também são vitais para o êxito do trabalho, mas, na avaliação do presidente da Ajufe, é necessário que não haja limite ou receio nesta cooperação, que deve estar imune a qualquer vestígio de revanchismo. “É preciso superar divergências do passado em busca do objetivo maior que é entregar a essas famílias o que elas esperam há tanto tempo”, afirmou Fernando Mattos. Para ele, o que se espera agora é que os militares que tenham participado daqueles acontecimentos, principalmente da denominada “Operação Limpeza” (1973/74), colaborem com informações que permitam resultados mais concretos nas escavações do próximo ano.
    A informação de que as escavações prosseguirão em 2010 foi confirmada durante a visita pelo ministro da defesa, Nelson Jobim. Depois de visitar a área, o ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, Paulo de Tarso Vannuchi, reconheceu que o trabalho assemelha-se ao de quem busca “uma agulha num palheiro”. Antes das escavações, é feito um trabalho de georeferenciamento do local, para fixar o ponto exato das buscas. Em seguida, um radar de penetração no solo (equipamento que mostra anomalias magnéticas a até três metros de profundidade) indica onde há objeto enterrado. Até o momento, todos os pontos escavados revelaram que as anomalias eram nada mais que pedras, raízes ou buracos naturais.
    A escavação é feita inicialmente com pás, picaretas e enxadas por funcionários contratados, até o ponto próximo da profundidade indicada pelo radar. Em seguida, um antropólogo forense completa a escavação cuidadosamente, com uma pequena pá de jardinagem, para não danificar um eventual objeto. Até o momento, já foram mapeados 24.300 m², ou uma linha de 60 km contínua (ele é arrastado sobre o solo, como se faz com um cortador de grama). As pesquisas levaram a 36 alvos em 14 áreas diferentes. Os trabalhos de campo deverão ser encerrados no fim de outubro, quando se inicia o período de chuvas.

    (Assessoria de Comunicação Social da Ajufe com informações do Ministério da Defesa)
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org