Juízes Federais são apresentados ao sistema jurídico alemão em curso promovido pela Ajufe

    “Introdução ao sistema jurídico alemão e o estatuto da magistratura alemã” foi o tema da segunda palestra do dia proferida pelos professores alemães Dr. Kern e Dr. Von Bargen. Para uma platéia atenta os professores introduziram, com muita propriedade, os magistrados brasileiros ao sistema jurídico alemão. Eles falaram sobre temas como o Princípio da Inafastabilidade da Jurisdição, da Jurisdição Constitucional Alemã, Órgãos essenciais à Justiça, entre outros.
    De acordo com os palestrantes, o sistema judiciário alemão, assim como no Brasil, é dividido por matéria: Justiça Comum ou Ordinária; Justiça do Trabalho, Justiça de Finanças, Justiça Administrativa e Justiça Previdenciária. Em regra, conforme explicou Dr. Von Bargen, a justiça alemã é dividida em três instâncias. A primeira é onde normalmente se faz a produção e avaliação das provas sobre os fatos. A segunda, também chamada de instância de apelação, examina a sentença de forma abrangente. A terceira age apenas como instância de direito, exatamente como funcionam o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o Tribunal Superior do Trabalho (TST), no Brasil.

    Justiça Comum ou Ordinária
    A Justiça Comum alemã engloba a competência cível e criminal. Lá, a Justiça Comum tem como primeira instância o Amtsgericht (AG), constituído por um juiz singular e pelo colegiado, composto por câmaras. Não há exigência de advogado e a parte pode reduzir a termo sua petição inicial junto à Secretaria da Vara.

    Diferenças entre a função do Processo Civil na Alemanha e no Brasil
    Para o Dr. Kern, uma das maiores divergências existentes entre o Processo Civil alemão e brasileiro está na sua função. Na Alemanha, a função do Processo Civil é de resolver conflitos individuais e só lateralmente se admitem processos coletivos ou transindividuais e em circunstâncias e meios processuais bem diferentes do brasileiro.
    Órgãos essenciais à Justiça
    De acordo com o Dr. Von Bargen, os juízes são órgãos essenciais da Justiça Alemã. Para exemplificar o professor citou números bem diferentes dos brasileiros. Segundo o professor, na Alemanha há 24 juízes para cada 100 mil habitantes. “Esse número é incontestável, mas, mesmo assim, ainda há uma grande defasagem entre o número de processos e o de juízes e procuradores”, destacou.
    A habilitação para a magistratura exige um título acadêmico em Direito, que se encerra com o 1º Exame de Estado respectivo que se concentra na parte teórica. Com o término dessa etapa o estudante adquire o título de Referendar, e deve cumprir um ciclo de preparação prática. Ao final desse período o Referendar se submete ao 2º Exame do Estado e, caso aprovado, adquire a capacitação para a magistratura.
    Princípios da magistratura
    Os princípios da magistratura têm aspectos muito semelhantes nos dois países, conforme explica o professor von Bargen. Segundo ele, na Alemanha também há os princípios da imparcialidade, da legalidade e da independência funcional. Lá, os juízes também são vitalícios, pois, uma vez investidos na magistratura, e após cumprirem o estágio probatório que pode variar de 03 a 05 anos, é confirmada aos juízes a vitaliciedade.
    Inamovibilidade - O conceito de inamovibilidade brasileiro é chamado na Alemanha de independência pessoal ou subjetiva. Em resumo, o termo se refere a impossibilidade de os juízes serem removidos sem a sua anuência.

    Texto: Jair Cardoso
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org