Nota pública da Ajufe é destaque de matéria da Carta Capital

    carta_capital

    A última edição da revista semanal Carta Capital traz reportagem intitulada “Na linha de tiro”, em que aborda a suspensão das ações do juiz titular da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, Fausto De Sanctis, por instâncias superiores. As decisões suspenderam os processos envolvendo o MSI-Cotinthians, o banqueiro Daniel Dantas, do Oppoturnity, e o conglomerado industrial Camargo Corrêa.

    A matéria dá destaque à reação da Ajufe, manifestada por meio de nota pública assinada pelo presidente da entidade, Fernando Mattos, em que defende a independência dos magistrados como um dos pilares do Estado Democrático de Direito, e ressalta que a reforma de decisões deve ser encarada como fato rotineiro do Poder Judiciário.

    Na nota, Mattos afirma que a tentativa, cada vez mais reiterada, de desqualificar pessoalmente um juiz pela decisão que profere merece o repudio de toda a sociedade, porque atacar um magistrado, seja de que instância for, é ferir a democracia.

    Leia abaixo a íntegra da reportagem da revista Carta Capital:

    Castelo de Areia

    Surpresa? A operação contra diretores da Camargo Corrêa segue os trâmites da lei, mas o STJ decide suspender as ações do Juiz De Sanctis

    Por Gilberto Nascimento

    Colegas do juiz Fausto De Sanctis, da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, não têm dúvidas: o magistrado virou, no Judiciário, o alvo do momento dos tribunais superiores e de setores da mídia. De Sanctis tem sido bombardeado por tomar decisões judiciais que contrariam grandes interesses, como os do banqueiro Daniel Dantas, do Opportunity, e do conglomerado industrial Camargo Corrêa.

    Em apenas um mês, o juiz perdeu o controle das investigações de três casos importantes: MSI-Corinthians, Satiagraha e Castelo de Areia. Essa última operação resultou em uma ação encaminhada por De Sanctis contra três diretores da construtora Camargo Corrêa - Fernando Dias ° Gomes, Pietro Bianchi e Darcio Bruma -, por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

    Na quinta-feira 14, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Cesar Asfor Rocha, decidiu suspendê-la, a pedido da defesa, ao alegar que teria sido iniciada a partir de uma denúncia anônima. No dia 18 de dezembro, o mesmo STJ suspendeu todas as medidas judiciais da operação Satiagraha, beneficiando Dantas e 62 cotistas do opportunity Fund, acusados de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e sonegação fiscal.

    Três dias antes, o juiz havia sido afastado do caso MSI, por decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3). "Ele recebe críticas pesadas e tem sido tachado de arbitrário, principalmente por parte da mídia, por lidar com processos complicados que afetam pessoas poderosas", diz o juiz Sérgio Moro, da 22º Vara Federal Criminal de Curitiba. "Não se pode aceitar a tentativa, cada vez mais reiterada, de desqualificar o magistrado", reage Fernando Baptista de Mattos, presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e titular da 1a Vara de Execuções Fiscais de Vitória (ES).

    A procuradora regional da República Janice Ascari critica duramente os tribunais superiores. "Parece que pegaram o De Sanctis para Cristo, e com isso querem dizer: 'Vamos aplicar uma lição nesse juiz para que os outros não coloquem as manguinhas de fora'. O que estão fazendo com ele é uma coisa vergonhosa", lamenta."Os advogados aproveitam-se de todas as brechas e contam meias-verdades aos tribunais. O De Sanctis tem sido injustamente perseguido e difamado exatamente por ser um juiz correto e rigoroso. Ele é penalizado por cumprir sua função com extremo rigor, como se esperaria que todos os juízes fizessem. Felizmente, existem muitos outros como é ele", afirma Ascari.

    A procuradora contesta a decisão de Asfor Rocha na Castelo de Areia. Para ela, o ministro do STJ nem ao menos observou o processo. "É uma decisão que caminha para as raias do absurdo.O ministro não avaliou certas peças processuais. Se tivesse, teria constatado que a interceptação telefônica solicitada não foi baseada numa denúncia anônima. Já havia a delação premiada e outros elementos de investigação. Inclusive, quem cuidava do processo na época era o juiz substituto, Márcio Rached Millani. Asfor equivocou-se no mérito da liminar. Não havia a necessidade de dar uma decisão como essa num plantão", contesta.

    A procuradora da República responsável pelo caso, Karen Louise Kahn, também lamentou a decisão, em nota. Disse que o STJ foi induzido a erro por advogados ao deferir liminar sem ouvir o Ministério Público Federal. Segundo Kahn, a atuação do MPF durante toda a investigação "foi inteiramente pautada na legalidade, fornecendo à Justiça Federal todos os elementos necessários à concessão de medidas constritivas, como a interceptação telefônica, que acabou sendo deferida pelo juízo de forma legal e fundamentada". Asfor Rocha acolheu, em caráter provisório, os argumentos de um dos advogados da Camargo Corrêa, Celso vil ardi, sobre a suposta ilegalidade da denúncia anônima.

    Figura próxima do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes com quem mantém, inclusive, relações familiares, Rocha é ex-corregedor nacional de Justiça e advogado de formação. Entrou no STJ por meio do "quinto constitucional da advocacia" (indicação de advogados pela OAB para compor tribunais). Candidato a uma das próximas vagas do STF, já teve o seu nome cogitado recentemente, antes da indicação do ex-advogado-geral da União José Antonio Toffoli para o tribunal. "Confesso-me convicto de que o contexto dos autos evidencia que a ação penal em apreça se mostra fortemente impactada pelos argumentos jurídicos trazidos pelos impetrantes", considerou o ministro Rocha.

    A defesa da empreiteira contou com um reforço de peso. A estratégia foi arquitetada pelo ex-ministro da Justiça do governo Lula Márcio Thomaz Bastos, contratado em março do ano passado. O ex-ministro pediu 15 milhões de reais para defender a construtora, segundo informações divulgadas na imprensa.

    Houve denúncia anônima sobre supostas ações ilegais da Camargo Corrêa citada pelo delegado da Polícia Federal Otávio Russo ao pedir, em janeiro de 2008, a quebra de sigilo de cadastros telefônicos (e não de interceptação) para investigar um doleiro, Kurt Paul Pickel. Mas, seis meses antes, já havia o relato de um réu-colaborador sobre essas ações. Outras informações foram obtidas em outro depoimento de réu preso na Operação Downtown, da PF, em agosto de 2008. A denúncia anônima confirmou a delação inicial, feita bem antes, e não serviu como prova, argumentam os responsáveis pela Castelo de Areia.

    Ao receber a solicitação da PF, o juiz substituto Márcio Millani autorizou a utilização das informações por agentes determinados, para permitir a identificação apenas do alvo das investigações. A PF pediu para que os ofícios às concessionárias de telefonia não indicassem o nome do investigado, por causa de vazamentos ocorridos em outra operação, a Têmis (que investigava avenca de sentenças judiciais). As consultas seriam registradas, como foi observado. Somente após as investigações preliminares foi autorizado o monitoramento no dia 13 de fevereiro de 2008.

    "A medida judicial não decorreu de qualquer arbitrariedade, mas sustentou-se em forte respaldo fático, amplamente corroborado pelo Ministério Público Federal e, posteriormente, reconhecida como lícita pelo próprio TRF da 3a Região, quanto à legalidade para a deflagração da ação policial, que resultou no ajuizamento de ações penais e novas representações criminais para todo o Brasil", acrescentou Karen Kahn.

    Na avaliação de Janice Ascari, os tribunais superiores têm tomado decisões não compatíveis com o rito processual de outras ações. "São processos pontuais, nos quais essas decisões estranhas são dadas. Sempre o réu é alguém rico e poderoso. Isso é motivo de alerta para todos nós. Não por desconfiança com a pessoa do ministro, do julgador. Mas pela influência política que esses réus poderosos podem ter sobre os tribunais", critica.

    Segundo a procuradora, a decisão do ministro Eros Graus, do STF, de requisitar todas as provas do caso Satiagraha e trancá-las em uma sala "foi um dos maiores absurdos jurídicos do Supremo em 2009". A decisão sobre a MSI-Corinthians "foi uma decisão incomum, do tipo que não costuma se dar por liminar", entende a procuradora."Se o caso foi levado para a apreciação de toda a turma do TRF-3, por que, então, não se fez o julgamento definitivo?", observa. Além do apoio de juízes e procuradores, De Sanctis recebeu a solidariedade de políticos.

    Na terça-feira 19, ele teve uma longa e emocionada conversa, ao telefone, com o senador Pedro Simon (PMDB-RS). O peemedebista pretende fazer um pronunciamento em defesa de De Sanctis no Senado, tão logo reiniciem os trabalhos na Casa, em fevereiro. "Ele é um rapaz de grande valor, competente e sério. Tem a coragem de enfrentar um poderoso banqueiro e uma das maiores empreiteiras do País. E querem transformar santo em réu. Há um interesse em demoli-lo", criticou Simon. "A Justiça tem de andar. Se um magistrado toma uma decisão mais arrojada, o mundo cai em sua cabeça. Isso não pode acontecer. Esse juiz podia ter se tornado um desembargador e não quis para continuar a sua missão", acrescentou.

    A perseguição é mais um exemplo de que, no Brasil, "só vai para a cadeia ladrão de galinha", atesta Simon. "O banqueiro Dantas já havia afirmado que seu problema eram os juízes de primeira instância, porque nos tribunais superiores ele resolvia", lembrou o senador.

    Repúdio

    A Ajufe critica tentativa de desqualificar o magistrado que incomoda

    A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) afirmou, em nota sobre a suspensão pelo STJ de ações abertas em decorrência das operações Satiagraha e Castelo de Areia, que deve "ser repelida com veemência" a tentativa, "cada vez mais reiterada, de, a partir da reforma de uma decisão judicial, pretender-se desqualificar o magistrado que a proferiu".

    Assinada pelo presidente da entidade, Fernando Mattos, a nota ressalta que "a independência dos juízes brasileiros, seja qual for a instãncia que integrem, é essencial para a democracia". E acrescenta: "Atacar um magistrado pela decisão que proferiu é atacar a democracia. A Ajufe, portanto, rejeita toda e qualquer tentativa de desmoralização pública de seus associados e não se furtará a manifestar-se sempre que necessário".

    Segundo a entidade, a independência da magistratura "é uma garantia fundamental do estado Democrático de Direito e da cidadania, não podendo, por qualquer forma, ser diminuída". Conforme Mattos, "a possibilidade de recorrer das decisões judiciais também integra o mesmo rol de garantias fundamentais".

    O presidente da Ajufe observa que "diariamente são proferidas milhares de decisões pelos juízes e tribunais brasileiros, a partir do livre convencimento e da interpretação dos fatos, da Constituição e das leis" e cada uma delas "agrada a uma parte do processo e desagrada à outra".

    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org