Peluso diz que férias da magistratura devem ser tratadas na nova Loman

    min._peluso_na_ccj_do_senado_1O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Cezar Peluso, participou hoje (12) de audiência pública na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal destinada a discutir duas Propostas de Emenda à Constituição. A primeira trata das férias coletivas dos magistrados e do recesso forense (PEC 48/2009); a segunda suprime o foro privilegiado em processos criminais (PEC 81/2007).

    O presidente da Ajufe, Fernando Mattos, assistiu atentamente à audiência pública, na qual o presidente do STF afirmou que as férias de 60 dias dos juízes devem-se ao trabalho peculiar que exercem. “Por experiência própria, posso dizer que os magistrados não têm dia nem hora para trabalhar. Esta é a regra. A grande maioria trabalha sábado e domingo. Pode-se dizer que um médico e um advogado também trabalham muito, mas, sendo profissionais liberais, podem trabalhar bastante e parar de trabalhar por quanto tempo quiserem”, afirmou o ministro, que tem mais de 40 anos de magistratura.

    Embora tenha feito a defesa das férias ampliadas, o presidente do STF afirmou que não se opõe à proposta de adoção de férias individuais de 30 dias e mais 30 dias de recesso forense ao final do ano, como propõe a PEC 48/2009. Para ele, a proposta pode ser uma “solução razoável” porque atende às necessidades dos juízes, servidores e advogados. A Associação dos Juízes Federais do Brasil é contra a PEC 48/2009. A Ajufe defende a manutenção do atual regime de férias da magistratura, ou seja, férias de 60 dias e 17 dias de recesso forense. Segundo o presidente da Ajufe, os juízes federais vão lutar para que o atual regime não seja alterado. Fernando Mattos, entretanto, elogiou o posicionamento do ministro Peluso em favor dos 60 dias de descanso.

    mattos_na_ccj_do_senadoO ministro sugeriu que o tema das férias seja analisado pelo Congresso quando do envio do anteprojeto da nova Lei Orgânica da Magistratura (Loman) e não por meio da PEC 48/2009. Ele anunciou que o anteprojeto relativo ao novo estatuto da magistratura está “praticamente concluído e será enviado ao Congresso pelo STF até o início do segundo semestre”.

    O presidente da Ajufe registrou a posição da entidade no sentido de que antes da conclusão dos trabalhos pela comissão instituída pelo STF, o anteprojeto, que deve contemplar todos os direitos concedidos às demais carreiras jurídicas, seja submetido à ampla discussão pela magistratura nacional. A Ajufe defende, ainda, que o STF avalie o melhor momento político para o envio do anteprojeto, com o objetivo de garantir que a sua tramitação e votação no Congresso Nacional assegure o fortalecimento e a independência da magistratura nacional, com a valorização dos juízes.

    Texto: Virginia Pardal
    Foto: Nelson Jr. / SCO / STF
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org