Justiça Federal recebe inquérito sobre uso de documento falso para obtenção de dados da Receita

    Caberá à Justiça Federal conduzir o inquérito que apura o uso de procuração falsa para a obtenção de dados fiscais da filha do candidato José Serra (PSDB) e que ensejou a polêmica sobre o vazamento de dados da Receita Federal. A decisão é do juiz José Carlos Camargo, da 1ª Vara Criminal da Justiça Estadual em Santo André, no ABC paulista, que determinou o repasse, à Justiça Federal, do inquérito aberto pela Polícia Civil de São Paulo para apurar a falsificação de documentos usados para obter o acesso ao sigilo fiscal de Verônica Serra.

    A decisão ocorreu após Camargo analisar o pedido feito pelos delegados para acessar os sigilos telefônicos do contador Antônio Carlos Atella Ferreira e do office boy Ademir Estevam Cabral. Ele determinou que o pedido de acesso ao extrato das ligações também seja analisado pela Justiça Federal. Segundo o juiz, "quer a falsidade (crime-meio), quer o uso do documento falso (procuração) constituem espécies de crimes contra a fé pública". (Veja íntegra da decisão abaixo)

    Atella, que assinou a procuração falsa, alega que recebeu o documento de Cabral e que retirou os dados a pedido dele. O office boy nega participação no episódio e diz que era Atella quem lhe solicitava serviços, e não o contrário.

    O pedido de quebra de sigilo de dados telefônicos foi feito na semana passada. A Polícia Civil solicitou os registros telefônicos do contador e do office boy do período entre setembro e dezembro do ano passado – os dados fiscais da filha de Serra foram retirados da agência da Receita Federal em Santo André no dia 30 de setembro de 2009.
    Veja íntegra da decisão do juiz?"Inquérito 1.406/10.

    O pedido de quebra de sigilo dos dados telefônicos não pode ser albergado.?É que falece competência à Justiça Estadual para conhecê-lo.?Com efeito, reza o artigo 109, inciso IV, da Constituição Federal:?Aos juízes federais compete processar e julgar:

    [...]?IV - os crimes políticos e as infrações penais praticadas em detrimento de bens, serviços ou interesse da União ou de suas entidades autárquicas ou empresas públicas, excluídas as contravenções e ressalvada a competência da Justiça Militar e da Justiça Eleitoral.
    Ora, quer a falsidade (crime-meio), quer o uso do documento falso (procuração) constituem espécies de crimes contra a fé pública.
    Crimes contra a fé pública têm como sujeitos passivos o Estado e secundariamente a pessoa, física ou jurídica, prejudicada pela conduta.

    Na espécie, o uso do documento falso atingiu serviços e interesses da União (Receita Federal).?Pertinentes, mutatis mutandis, os seguintes julgados:

    Tratando-se de uso – perante órgãos federais – de documentos falsos de expedição federal a competência para apurar os fatos é da Justiça Federal” (STJ – CC 20.270 – Rel. Félix Fischer – j. 12.08.98 – JSTJ e RTRF 119/258).

    Falsidade documental. Uso de documento falso com o intuito de burlar a fiscalização realizada agentes da Polícia Rodoviária Federal, que constitui serviço da União: competência do Juízo Federal (STJ, 3ª Seção, CC 41195/RS, Rel. Min. Arnaldo Esteves Lima, j. 27/04/2005, DJ 22/06/2005, p. 222, LEXSTJ 191/238, RSTJ 193/478).?Nem se diga, por outro lado, que remanesceria, decotado o crime de uso, a competência estadual no tocante à falsificação.

    A Súmula 122 do STJ é clara a respeito:?Compete à Justiça Federal o processo e julgamento unificado dos crimes conexos de competência federal e estadual, não se aplicando a regra do art. 78, II, a, do Código de Processo Penal.??Ora, se a Justiça Estadual não é competente para o processo principal, corolário é que não é, também, para a cautelar de quebra de sigilo de dados telefônicos, uma vez que esta é mera antecipação de provas destinadas àquele.

    Aliás, é a dicção do artigo 1º da Lei n. 9.296, de 24 de julho de 1996, que embora não trate da quebra de dados telefônicos , mas de interceptação, aplica-se analogicamente. Está assim redigido o artigo: “A interceptação de comunicações telefônicas, de qualquer natureza, para prova em investigação criminal e em instrução processual penal, observará o disposto nesta Lei e dependerá de ordem do juiz competente da ação principal, sob segredo de justiça”??Do exposto, reconhecendo a incompetência absoluta, determino a remessa do inquérito, e a presente cautelar incidental, à Justiça Federal.?Efetuem-se as comunicações de praxe.

    Int.?Sads?

    José Carlos Camargo
    Juiz de Direito"

    Fonte: Portal G1
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org