Caso do dossiê dos “aloprados” deve ser retomado pela Justiça

    O procurador da República em Mato Grosso Mário Lúcio Avelar deve denunciar o petista Hamilton Lacerda, Valdebran Padilha e demais envolvidos no escândalo do dossiê contra tucanos, nas eleições de 2006, apelidado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva de “aloprados”. A informação é do jornal Folha de São Paulo, desta quinta-feira (16).

    Depois de quatro anos, a Procuradoria da República prepara denúncia contra os envolvidos sem que seja conhecida a origem da quantia de US 1,7 milhão (R$ 2,1 milhões em valores corrigidos) apreendida.

    A Polícia Federal apontou que o dinheiro seria para comprar um dossiê forjado e envolver o então candidato ao governo de São Paulo e atual presidenciável, José Serra (PSDB), com a máfia dos sanguessugas (fraude na compra de ambulâncias).

    O caso corre em sigilo na Justiça Federal de Mato Grosso e um dos envolvidos Luiz Antonio Vedoin, suposto beneficiário da venda do dossiê, responde a processo na 2ª Vara Criminal Federal de Cuiabá por envolvimento com a máfia dos sanguessugas.

    Valdebran Padilha e Gedimar Passos, flagrados com o dinheiro, foram indiciados pela PF mas não foram denunciados pelo MPF à Justiça. O ex-segurança da Presidência da República Freud Godoy, envolvido no caso por Gedimar, continua dono da “Caso Sistemas de Segurança”, empresa que presta serviços ao PT, mas por falta de provas ele não foi indiciado.

    Jorge Lorenzetti, o churrasqueiro oficial de Lula, também citado por Gedimar, voltou a ser professor universitário em Santa Catarina. Hamilton Lacerda, ex-coordenador da campanha de Aloizio Mercadante (PT) ao governo em 2006, visto entrando no hotel com um envelope, se desfiliou do PT, virou sócio de uma fazenda de R$ 1,5 milhão na Bahia segundo a Folha de S. Paulo, e em fevereiro se refiliou ao partido.

    Expedito Veloso, ex-diretor de Gestão e Risco do Banco do Brasil, flagrado em um telefonema pedindo pressa a Vedoin, voltou a ser gerente e depois foi promovido a diretor de um fundo de previdência do banco.

    Oswaldo Bargas, que intermediou uma entrevista “denúncia” de Vedoin contra Serra, deixou a Secretaria do Ministério do Trabalho e abriu uma empresa especializada em consultoria sindical com sede em Brasília onde ninguém foi encontrado.

    Embora na época o PT tenha ameaçado expulsar os “aloprados”, ninguém foi punido pelo partido.

    Fonte: Jornal Folha de S.Paulo e site Redação 24 Horas News
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org