STF analisará contrato para demolição de estádio

    A Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop) ajuizou ação no Supremo Tribunal Federal contra a decisão judicial que a obrigou a continuar as obras de demolição do Estádio Olímpico e construção do Centro de Excelência, em Goiânia. A agência questiona o andamento das obras, porque o contrato assinado para a construção está sendo investigado pelo Ministério Público e há decisão da Justiça Federal para que a Caixa Econômica Federal deixe de liberar recursos para a sua finalização. A ação está sendo analisada pela presidência do Supremo.

    O pedido foi apresentado por meio de Suspensão de Segurança e contesta decisão do Tribunal de Justiça de Goiás. Em segunda instância, a empresa Eletroenge (Engenharia e Construções), responsável pelas obras, conseguiu liminar em Mandado de Segurança para que o governo do estado seja obrigado a assinar um contrato aditivo para a finalização das obras. O contrato passou de R$ 16 mil para R$ 43 milhões, de acordo com a agência.

    De acordo com os autos, o TJ-GO determinou que fosse formalizado um termo aditivo ao contrato da empresa com o estado para a conclusão da obra. Mas a agência sustenta que houve uma distorção proposital e que a Eletroenge fez alterações no projeto original que elevou o valor inicialmente contratado.

    Para complicar a situação, o contrato está sendo investigado pelo Ministério Público Federal em uma Ação Civil Pública contra a União, o estado de Goiás, a Agência Goiana de Esportes e Lazer e a Eletroenge. Segundo a denúncia do MPF, a obra está sendo superfaturada. Com base nessa ação, a 7ª Vara Federal em Goiás concedeu liminar para que a Caixa Econômica Federal deixe de liberar recursos financeiros para a construção do Centro de Excelência.

    A agência afirma que a decisão judicial é impossível de ser cumprida, uma vez que as alterações contratuais devem ser submetidas à análise do Ministério do Esporte e da Caixa Econômica Federal que, juntos, financiam a obra em 90%, ficando apenas 10% do valor a cargo do estado de Goiás. Portanto, “sem a intervenção do dinheiro da União não tem como haver o aditivo pleiteado”, sustenta a agência.

    Alega ainda que a empresa não se pode aproveitar da decisão do TJ-GO de concluir a obra para forçar o Judiciário a aditivar o contrato em valor muito superior ao valor inicialmente contratado. A quantia inicial estimada era R$ 16 mil e o aditivo prevê um orçamento de quase R$ 43 milhões, o que, segundo a agência, causa grave dano à economia pública.

    Além disso, argumenta que o contrato foi firmado entre a União, o estado de Goiás e a Agência Goiana de Esportes e Lazer e, por isso, “a Agetop é mero executor de uma obra custeada por verba federal e firmada por meio de convênio por outras entidade estaduais e federais”.

    Com esses argumentos, pede a imediata suspensão da decisão e alega o perigo na demora, considerando que o presidente da agência terá de pagar multa diária de R$ 5 mil, caso não atenda a ordem de fazer o aditivo no contrato.

    Fonte: Site Consultor Jurídico (Conjur)

    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org