Candidatos envolvidos na Máfia dos Sanguessugas vão mal nas urnas

    Tiveram desempenho fraco nas urnas os ex-parlamentares que respondem a processo na Justiça por suposto envolvimento com a Máfia dos Sanguessugas, desbaratada pela Polícia Federal em 2006. O melhor resultado foi obtido pelo ex-deputado federal Nilton Capixaba (PTB-RO), que retorna à Câmara como o terceiro deputado mais votado do estado. Ele fez 52 mil votos. Denunciado pela CPI dos Sanguessugas, Nilton Capixaba teve a cassação recomendada pelo Conselho de Ética da Câmara, mas o seu caso foi arquivado porque ele não conseguiu se reeleger em 2006 e deixou o mandato.

    Benjamim Maranhão (PMDB-PB) foi eleito deputado federal na Paraíba com 94,9 mil votos. Em Sergipe, Pastor Heleno (PRB) conseguiu a eleição com 61,5 mil votos. No Rio, Paulo Feijó (PR) assegurou a volta à Câmara com votação apertada: 22,6 mil votos, ficando na 45ª colocação. Josué Bengtson (PTB-PA) fez 112 mil votos e foi eleito no Pará. A situação dos quatro é idêntica. Como não foram reeleitos em 2006, não chegaram a ser julgados pelo Conselho de Ética, que avalia internamente o casos de deputados acusados de ilegalidades, irregularidades ou falta de decoro parlamentar.

    Sentindo a dificuldade de retornar ao Congresso, vários dos ex-deputados acusados pela CPI dos Sanguessugas tentaram uma vaga nas assembleias legislativas. Carlos Dunga (PTB-PB) conseguiu se eleger na Paraíba, obtendo 18,8 mil votos. Robério Nunes (DEM-BA), Raimundo Santos (PR-PA) e Vieira Reis (PRB-RJ) fracassaram. Outros tentaram voo ainda maior. João Correia (PMDB-AC) e Agnaldo Muniz (PSC-RO) disputaram uma vaga no Senado, mas saíram derrotados das urnas. Muniz chegou a fazer 187 mil votos em Rondônia.

    O Correio citou apenas os casos de ex-parlamentares que respondem a processo na Justiça. No caso daqueles que foram eleitos, o processo será agora transferido para o Supremo Tribunal Federal. Poderá surgir o questionamento sobre um possível julgamento pelo Conselho de Ética da Câmara, já que vários casos foram arquivados em decorrência da não reeleição em 2006. A reportagem não citou casos de ex-parlamentares que foram denunciados pela CPI, mas não respondem a processo judicial.

    Eleitores, os grandes juízes


    A Operação Sanguessuga foi deflagrada em 4 de maio de 2006. Foram presas 42 pessoas, entre empresários, servidores da Câmara e do Ministério da Saúde e ex-deputados. Entre os presos estava Luiz Antônio Vedoin, sócio da Planam, empresa pivô da quadrilha, como apontou o inquérito policial.

    O Correio já havia publicado reportagem, em dezembro de 2005, mostrando a atuação da Máfia das Ambulâncias em Rondônia e em mais quatro estados. Em Rondônia, o principal envolvido era o então deputado Nilton Capixaba (PTB).

    Nos meses seguintes, foi realizada a CPI dos Sanguessugas, que apontou o envolvimento de 72 parlamentares com a máfia. A maioria tentou reeleger-se em 2006, mas apenas cinco tiveram sucesso. Essa foi, até agora, a maior punição aos envolvidos. Por enquanto, apenas o ex-deputado Cabo Júlio foi condenado por improbidade administrativa pela Justiça Federal em Minas.

    Fonte: Correio Braziliense
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org