Justiça federal permite que "Comendador Arcanjo" fique no MS

    A Justiça Federal autorizou a permanência de João Arcanjo Ribeiro, outrora considerado o chefe do crime organizado em Mato Grosso, no Presídio Federal de Segurança Máxima de Campo Grande (MS) por mais um ano. A decisão é do juiz substituto da 1ª Vara Federal de Mato Grosso Fábio Henrique Rodrigues de Moraes Fiorenza. 

    O prazo de permanência de Arcanjo, conhecido também como “Comendador”, na penitenciária federal venceu no último dia 29. Dias antes, a Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso pediu à Justiça Federal do Mato Grosso do Sul a prorrogação da prisão do bicheiro no Estado por questões de segurança.

    O juiz que decidiria pela prorrogação ou não da permanência do preso, Dalton Iga, da 5ª Vara Federal do Mato Grosso do Sul, está de férias. De acordo com a assessoria de imprensa da Sejusp, o pedido voltou à Justiça Federal de Mato Grosso e culminou com a decisão pela prorrogação do prazo de permanência de Arcanjo no MS.

    Em anexo à decisão do juiz substituto, está um documento do Departamento Penitenciário Nacional que autoriza a prorrogação do prazo de prisão do condenado no presídio federal. O documento é assinado pelo diretor do Sistema Penitenciário Federal, Sandro Torres Avelar.

    Caso Arcanjo não pudesse permanecer no MS, ele retornaria para o Presídio Central do Estado (antigo Pascoal Ramos), em Cuiabá. Para a Sejusp, a volta do comendador representaria risco, pois o réu ainda seria muito influente na Capital.

    João Arcanjo Ribeiro foi preso no Uruguai há sete anos e cumpriu parte da pena no então presídio Pascoal Ramos. Ele foi transferido para o MS em outubro de 2007, depois que o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público Estadual) descobriu que o preso ainda chefiava o jogo do bicho de dentro do presídio na Capital.

    Condenado a 37 anos de prisão por formação de quadrilha, crime contra a ordem tributária, falsidade ideológica e contrabando, o comendador reivindica, ainda sem sucesso, progressão de pena para o regime semi-aberto. Ele também é acusado de ser o mandante de vários assassinatos e cumpre prisão temporária por esses crimes.

    O ex-chefe do crime organizado de Mato Grosso responde a pelo menos 30 processos da Justiça, tanto estadual quanto federal. Arcanjo foi o líder do jogo do bicho no Mato Grosso por mais de 20 anos.

    A reportagem não conseguiu falar com o advogado do bicheiro, Zaid Arbid. 

    Fonte: Diário de Cuiabá

     

     


     



     



     



     



     



     



     



     

     

     

     

     

     

     

     

     

     



     



     



     



     







     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org