Justiça Federal manda demolir barracas da Praia do Futuro (CE)

    Mais uma vez, a polêmica sobre a permanência ou não das barracas da Praia do Futuro vem à tona. Na última quarta-feira (20), o juiz federal José Vidal Silva Neto, da 4ª Vara Federal, sentenciou os ocupantes de estabelecimentos a se adequarem, de imediato, à legislação.

    Significa que, entre os 154 ocupantes dos estabelecimentos citados na Ação Civil Pública ajuizada, em 2005, pelo Ministério Público Federal (MPF), União e, depois, pelo Município de Fortaleza, as barracas irregulares terão de ser desocupadas, demolidas e removidas, sob despesas custeadas pelos proprietários e, se preciso for, usando-se força policial.

    Isso porque, de acordo com o processo, que tramita no Tribunal Regional Federal (TRF) da 5ª Região, com sede em Recife, todos os 154 ocupantes exploram os espaços para fins comerciais ou de moradia na área de praia, que pertence à União, não podendo, portanto, ser ocupada. Desses, somente 7,84% permanecem dentro dos limites inscritos na Gerência do Patrimônio da União.

    Ocupação

    Além disso, de acordo com a sentença, todos os réus construíram ou fizeram extensões dos estabelecimentos em área de praia sem elaboração de Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima) e sem autorização do poder público para efetivar as obras. Assim, diante da situação, o MPF e a União Federal requerem a imediata remoção de obstáculos que impedem o acesso à praia, como cercas, muros, piscinas, parques aquáticos, trechos de gramado e até tubulação. Se os réus não fizerem isso, o despacho autoriza que a União faça o serviço, se necessário, com apoio policial.

    Enquanto a sentença estiver em vigor, fica proibida a realização de quaisquer obras ou benfeitorias que modifiquem o estado atual das barracas. Pela decisão, "não há dúvidas de que a ocupação irregular e indevida de área na praia provoca prejuízos não só ao meio ambiente, em face da ocupação desordenada, com ausência de saneamento básico e degradação dos recursos ambientais, como à população, que fica privada do uso da área pública utilizada, de forma irregular, por particular".

    Desse modo, o documento determina que os empresários recomponham as áreas e recuperem as dunas primárias e a vegetação nativa danificadas pelas ocupações. A Ação deixa claro, ainda, que os réus não serão ressarcidos, em dinheiro, pelos danos ambientais e paisagísticos causados ao meio ambiente.

    Além disso, se alguma construção ou benfeitoria não autorizada que inove o estado atual das barracas for realizada, a partir de então, o envolvido fica sujeito a pagamento de multa no valor de R$ 5.000,00 por dia de descumprimento.

    Os réus foram ainda condenados ao pagamento das custas processuais e ao ressarcimento dos honorários periciais, bem como em honorários advocatícios no valor de R$ 100 mil.

    Fonte: Diário do Nordeste

    Siga-nos no Twitter: http://twitter.com/AJUFE_Brasil

    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org