TRF-3 concede liminar para dar liberdade a Paulo Li

    A 1ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, em São Paulo, aceitou o pedido de Habeas Corpus do chinês Li Kwok Kuen, o Paulo Li, concedendo a ele o direito de responder o processo em liberdade. Ele é acusado de liderar uma das maiores organizações criminosas de importação irregular de eletroeletrônicos da China para o Brasil. A decisão, por unanimidade, recebeu parecer favorável da procuradora regional da República Luiza Cristina Fonseca Frischeisen.

    Paulo Li está preso desde 17 de setembro de 2009, após a Operação Wei Jin, da Polícia Federal, e é pivô do escândalo que afastou da Secretaria de Justiça, Romeu Tuma Junior. A defesa do acusado, feita pelo advogado Alberto Zacharias Toron, do escritório Toron, Torihara e Szafir, alegou excesso de prazo na duração do processo devido a "graves erros do juízo e do cartório" e demora em se ouvir as testemunhas de acusação, e não de defesa.

    Em julho, ao aceitar o pedido de liminar, o desembargador federal José Lunardelli, relator do caso, considerou que um conjunto de situações e fatos processuais contribuíram para o atraso na instrução processual. Entre as falhas, apontadas pela defesa, houve demora no desmembramento dos autos em relação a outros cinco indiciados, que não foram denunciados quando a operação foi deflagrada. O desmembramento só ocorreu no dia 18 de março de 2010.

    Também houve problemas relativos à oitiva das testemunhas de acusação arroladas pelo Ministério Público Federal. Os policiais que deveriam comparecer à audiência do dia 7 de maio não foram apresentados porque estariam lotados em Sorocaba e Ribeirão Preto. No entanto, dois deles estavam em São Paulo e só foram ouvidos em 16 de junho.

    "Em suma, tais incidentes processuais, que não são atribuíveis à defesa, conduziram ao 'excesso de prazo', pois não se pode considerar razoável a demora de dez meses na conclusão da instrução de processo com apenas dois réus presos, visto que a complexidade do caso não justifica tal prazo", considerou o relator.

    Ele também concedeu, de ofício, a ordem liminar em favor de Lee Men Tak, oficial de promotoria do Ministério Público Eleitoral suspeito de vender dados sigilosos de operações contra o crime organizado e de desvio de recursos públicos.

    Em 11 de março, o TRF-3 negou um primeiro pedido de liberdade para Paulo Li. A procuradora regional da República Luiza Cristina Fonseca Frischeisen opinou pela manutenção da prisão, pois, em sua avaliação, havia o risco do acusado fugir.

    Investigações
    Reportagens do jornal Estado de S. Paulo revelaram gravações telefônicas e e-mails trocados entre Tuma Junior e Paulo Li. As gravações foram interceptadas pela Polícia Federal durante a Operação Wei Jin. De acordo com as investigações Li ligou para Tuma Júnior na frente dos agentes federais que cumpriam o mandado. O ex-secretário Nacional de Justiça foi acusado de ser cliente do suposto esquema de contrabando e também de tráfico de influência. No entanto, a denúncia do MPF não cita Tuma Júnior.

    Após a divulgação da suspeita de envolvimento com a máfia chinesa, o ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, exonerou Tuma Júnior do cargo em 14 de junho. Na época, o ex-secretário reconheceu ter amizade com Li, mas negou envolvimento com irregularidades.

    Clique aqui para ler a decisão liminar, proferido em julho.

    HC 0021320-38.2010.4.03.0000/SP

    Fonte: Conjur
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org