Jornal do Commercio: Elegibilidade divide juízes

    O Jornal do Commercio traz em sua edição de hoje (1) uma reportagem sobre a possibilidade de juízes e promotores serem eleitos, caso se mude a legislação em vigor.

    Leia o texto: 

     Elegibilidade divide juízes

    Enquanto procuradores e promotores de Justiça pleiteiam o direito de concorrer a cargos eletivos sem pedir exoneração do cargo, os magistrados, que têm a mesma restrição, divergem sobre o assunto. As duas entidades que representam o Ministério Público pretendem apresentar ao Congresso Nacional uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que permita que membros do MP se lancem candidatos. Entre a magistratura, porém, o exercício da atividade político-partidária não é visto com bons olhos pelas entidades que representam a toga e o tema ainda deverá ser debatido entre os juízes associados a elas.

    Atualmente, para concorrer às eleições, juízes e membros do Ministério Público são obrigados a pedir demissão. Isso porque a Reforma do Judiciário, aprovada pela Emenda 45 em 2004, proíbe que membros do MP e da magistratura exerçam atividades político-partidárias. Pela lei, um promotor ou um juiz que queira se lançar candidato precisa pedir exoneração do cargo e não pode voltar a exercê-lo caso perca as eleições ou chegue ao fim do mandato. Defensores da medida, na época, argumentavam que a atividade político-partidária geraria aproximações, composições, favorecimentos recíprocos, compromissos com facções políticas e setores econômicos, o que era incompatível com o perfil constitucional do Judiciário.

    No entanto, os promotores, que foram favoráveis à medida, alegam falta de representatividade da classe no Congresso Nacional, devido às restrições estabelecidas pela Constituição Federal. Segundo o presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), Antônio Carlos Bigonha, na época da Constituinte, a bancada do MP tinha 15 representantes. Hoje, há apenas três deputados da carreira na ativa Dimas Ramalho (PSS-SP), Vieira da Cunha (PDT-RS) e Carlos Sampaio (PSDB-SP), que ingressaram no MP antes de 1988 e, por isso, conquistaram o direito de se candidatar sem pedir exoneração.

    PARTICIPAÇÃO. O presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), César Mattar Júnior, diz que, apesar de o MP ter sido favorável à mudança, percebeu com o tempo que a medida foi prejudicial à classe. "Nós queremos colaborar efetivamente com a democracia. Queremos participar da elaboração das leis no lugar de apenas zelar pelo cumprimento delas", argumenta.

    O assunto foi discutido pela primeira vez no fim de agosto, em uma reunião de entidades representativas do MP com o senador José Nery (PSol-PA). O presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Gabriel Wedy, participou do encontro, que tentou mobilizar o senador para o pleito. A ANPR quer alterar a Carta Magna e mudar o artigo que veta a participação de magistrados e membros do MP em cargos eletivos se eles permanecerem na função. Durante a reunião com os procuradores, o senador reconheceu a relevância da discussão sob o ponto de vista do exercício da igualdade perante a lei e ficou de analisar a questão. "O que posso dizer a vocês é que vou examinar a questão. É algo importante a ser debatido, para que sejam estabelecidas regras", declarou o senador, na época.

    Por meio da assessoria de imprensa, o presidente da Ajufe afirmou que, antes de tomar alguma decisão, vai fazer uma pesquisa para consultar os juízes federais brasileiros sobre o assunto. O presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Mozart Valadares Pires, diz que desconhece qualquer pesquisa ou deliberação dos conselhos que formam a entidade sobre o tema, mas pessoalmente se posiciona contra a atividade político-partidária de juízes.

    O presidente da Associação Nacional dos Magistrados Trabalhistas (Anamatra), Luciano Athayde Chaves, não tem uma opinião consolidada sobre o tema, mas faz considerações contra a proposta. O presidente da AMB acredita que dificilmente uma PEC nos moldes da pretendida pelos promotores e procuradores de Justiça seria apoiada pela magistratura. "Depois de exercer uma atividade político-partidária e voltar para a magistratura, o juiz poderia ter problemas. Para ser eleito, um candidato precisa de apoios, financiamentos. Dessa forma, ele fica devendo favores e gentilezas que podem arranhar a imparcialidade e a independência do Judiciário", sustenta Valadares.

    REPRESENTANTES. O presidente da Anamatra faz duas reflexões sobre o tema. Primeiro, pondera sobre a falta de representantes da classe no Congresso Nacional e da necessidade de ter mais parlamentares como o deputado Regis de Oliveira (PSC-SP), que é desembargador aposentado. "Nos ressentimos da presença de pessoas no Congresso Nacional que conheçam o Judiciário pelo lado de dentro, mas isso não significa necessariamente a elegibilidade de magistrados", ressalta.

    Por outro lado, Luciano Chaves questiona se a opinião pública não poderia enxergar uma decisão polêmica como forma do juiz se autopromover, caso ele pudesse se lançar candidato. "Me parece mais conveniente manter o atual modelo, de o juiz ser obrigado a deixar a carreira para se candidatar", opina.

    De acordo com o presidente da Conamp, a grande maioria dos promotores é a favor da elegibilidade. Mattar Júnior diz que a entidade vai atuar junto aos deputados federais para que eles aprovem o artigo da PEC 358/2005, a segunda metade da Reforma do Judiciário, que permite que membros do Ministério Público admitidos antes da promulgação da lei possam exercer atividades político-partidárias. "A restrição não é justa. Somos a única carreira de Estado que não pode se candidatar, diferentemente da Defensoria Pública, de todas as polícias e dos advogados públicos de uma maneira geral", afirma.

    Fonte: Jornal do Commercio

    Siga-nos no Twitter: http://twitter.com/AJUFE_Brasil
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org