Polêmica: STF discute competência dos Juizados Especiais

    A competência dos juizados especiais cíveis e criminais para processar e julgar determinadas causas, como as que tratam de indenização por danos materiais, tem sido assunto recorrente em diversos debates do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF). Devido à polêmica, os ministros da Corte buscam analisar o tema durante o julgamento dos Recursos Extraordinários (REs) e Agravos de Instrumento (AIs) oriundos dos juizados que tramitam no Supremo: de 2005 a setembro de 2010, foram 79.944.

    A polêmica sobre a competência do STF para reexaminar as decisões das turmas e dos colégios recursais dos juizados especiais foi levada ao Supremo. No último dia 19 de agosto, os ministros decidiram que não compete ao Supremo processar e julgar, originariamente, pedido de habeas corpus impetrado contra decisão de turma recursal vinculada ao sistema de juizados especiais. O assunto foi levado a debate no plenário durante a análise de habeas corpus, que foi negado pela Corte com base no reiterado entendimento. O habeas corpus foi impetrado em favor de uma advogada condenada pelo delito de "comunicação falsa de crime ou de contravenção".

    Na ocasião, o decano da Corte, ministro Celso de Mello, lembrou que o plenário, em julgamentos anteriores, reformulou sua orientação jurisprudencial sobre o tema, passando a entender que compete a Tribunal de Justiça ou a Tribunal Regional Federal, e não ao STF, a atribuição para apreciar, em sede originária, pedido de habeas corpus impetrado contra decisão de turma recursal dos juizados especiais.

    Na retomada do julgamento do recurso, o ministro Marco Aurélio, relator do caso, voltou a discutir a competência do Supremo para analisar processos advindos dos juizados especiais. No caso do recurso extraordinário interposto, segundo o ministro, a competência da matéria é do Supremo. Isso porque o caso diz respeito a controvérsia de grande complexidade.

    De acordo com o relator do caso, a delimitação primeira dos juizados quanto a sua competência está na Constituição Federal, "que é a lei máxima do País e que a todos submete". "Os juizados devem julgar, no campo penal, as causas em que o crime não é de gravidade maior, e no campo cível, as causas que não apresentem complexidade. O rito é muito célere, não há espaço para dilação probatória projetada e de maior envergadura", destaca o ministro Marco Aurélio.

    No entendimento do ministro, no caso concreto, haveria a necessidade de se fazer prova pericial, já que com ela, de início, se pressupõe a complexidade da causa. No entanto, conforme Marco Aurélio, não há espaço nos juizados especiais para se ter a prova pericial. "Essas causas devem ser julgadas, para até mesmo não se ter a sobrecarga dos juizados especiais, pela Justiça dita comum. Vamos preservar essa exitosa experiência dos juizados especiais. Não vamos enforcá-los como se eles fossem a solução para a problemática do Judiciário brasileiro, para a problemática do emperramento da máquina judiciária", conclui o ministro.

    O plenário virtual do STF reconheceu repercussão geral ao tema tratado no julgamento de outro recurso sobre a questão da competência da Justiça estadual e respectivos juizados especiais para decidir sobre a possibilidade de cobrança de assinatura básica de telefonia. O tribunal conheceu parcialmente do recurso, no mérito, positivando a competência da Justiça estadual e juizados especiais, deixando de conhecer a questão infraconstitucional (a possibilidade da cobrança).

    Fonte: Jornal do Commercio

    Siga-nos no Twitter: http://twitter.com/AJUFE_Brasil
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org