Governo vai tentar barrar bombas fiscais

    O governo vai tentar barrar, no Congresso, a aprovação de uma série de medidas que, somadas, prometem causar impacto de R$125,9 bilhões no Orçamento. A ordem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva é para que a base aliada impeça o aumento de gastos públicos às vésperas da posse da presidente eleita, Dilma Rousseff.

    "Eu sou a favor de não-medidas", afirmou o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, que vai integrar a equipe de transição do governo.

    "Precisamos discutir, por exemplo, por que dar reajuste de 56% para os servidores do Judiciário e onde vamos arrumar dinheiro para isso".

    O tema espinhoso será posto hoje na mesa, durante reunião ministerial, quando Lula pedirá aos auxiliares que não deixem deputados e senadores de seus partidos aprovarem armadilhas para Dilma. Orçado em R$ 6,35 bilhões, o aumento do Judiciário, por exemplo, integra uma lista de projetos em tramitação no Congresso, que, no diagnóstico do governo, são bombas fiscais. O pacote de bondades inclui propostas como a que fixa um piso nacional para policiais militares (R$ 20 bilhões por ano), recompõe o valor das aposentadorias pagas pelo INSS (R$ 88,3 bilhões) e equipara salários de delegados aos do Ministério Público (R$ 1 bilhão).

    "É preciso evitar que isso seja aprovado. Se queremos manter a casa em ordem, como vamos criar bilhões em despesas?", perguntou Bernardo. "A ideia é orientar a base aliada a não votar propostas para as quais não haja recursos previstos. O Congresso precisa ter cuidado para não dar sinal verde a coisas que terão graves consequências depois."

    Bernardo contou que o então governador José Serra (PSDB) telefonou para ele antes de deixar o cargo para disputar a Presidência, no fim de março, queixando-se de que se a equiparação entre os salários da Polícia Federal e dos policiais civis com os do Ministério Público custaria R$ 8 bilhões por ano para São Paulo.

    "Não sei como Serra depois propôs elevar o salário mínimo para R$ 600, sem dizer o que viria depois, se ele mesmo achava explosivo o reajuste dos policiais em São Paulo", provocou Bernardo. Até agora, a maioria dos projetos está emperrada na Câmara, assim como o que aumenta os salários dos servidores do Judiciário em 56%, em tramitação nas comissões da Casa.

    Articulador político do governo, o ministro das Relações Institucionais Alexandre Padilha, garantiu que conversará com os líderes da base aliada. "Às vésperas da votação do Orçamento todos têm o direito de apresentar suas propostas, mas vamos deixar para Dilma uma herança do bem", afirmou Padilha. "Estamos deixando o País ajustado e queremos seriedade e responsabilidade fiscal."

    Fonte: O Estado de S. Paulo
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org