JF proíbe Paraná de usar dinheiro dos portos

    Uma decisão liminar expedida pela Justiça Federal proíbe a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) de transferir para o Tesouro do Estado do Paraná os recursos correspondentes a 80% do superávit financeiro verificado no exercício do ano de 2009 na autarquia, estimado em R$ 430 milhões.

    A decisão foi obtida por meio de ação popular, impetrada pelo escritório Muniz Advogados, na 3ª Vara Federal de Curitiba, pela juíza Alessandra Anginski Cotosky.

    O governo estadual queria utilizar parte da receita portuária para obras e serviços exteriores ao porto, para investimento em infraestrutura em outros setores do transporte e, para isso, no mês passado o governo do Paraná fez uma consulta ao Ministério do Planejamento solicitando a alteração do convênio com a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), mediante termo aditivo, pelo qual sugeria utilizar as verbas sem vinculação com os investimentos na infra-estrutura dos portos.

    O advogado Fernando Muniz Santos explica que a transferência dos recursos ao Estado está prevista no artigo 26 da lei orçamentária paranaense de 2010 (Lei n.º16.369/2009), que determinou às autarquias, órgãos de regime especial, empresas públicas dependentes e fundos o recolhimento ao Tesouro Geral do Estado, até 30 dias após o encerramento do Balanço Geral do Estado, de 80% dos respectivos superávits financeiros apurados em seus balanços patrimoniais do exercício de 2009.

    Muniz contesta que a determinação estadual conflita com legislação da Antaq, que proíbe a aplicação das verbas arrecadadas pelos portos fora do âmbito específico da sua estrutura e manutenção.

    Para o advogado, o repasse comprometeria o funcionamento do Porto de Paranaguá. "É uma manobra que não seria autorizada por lei, que pode colocar o porto numa situação muito precária", acredita.

    O superintendente da Appa, Mário Lobo Filho, informou que o Porto de Paranaguá é um mero executor do convênio firmado entre União e governo do Estado. "Temos um convênio de delegação que se dá fundamentalmente entre a União e o estado do Paraná.

    A Appa é uma espécie de executor desse convênio. Por outro lado existe uma lei estadual vigente, aprovada pela Assembleia Legislativa e que determina que a gente transfira nossos recursos ao Tesouro Estadual.

    Esse pedido do governador Orlando Pessuti ao governo federal foi mais uma tentativa de esclarecimento. Se a Appa cumpre um acordo, descumpre outro", afirma o superintendente. Lobo Filho disse ainda que hoje o porto tem aproximadamente R$ 450 milhões em caixa.

    O procurador-geral do Paraná, Marco Antônio Berberi, informou que ainda não tinha conhecimento da decisão liminar e preferiu se inteirar do caso antes de se pronunciar sobre o assunto. O secretário de Estado dos Transportes, Mário Stamm Jr., também foi procurado, mas estava em reunião até o fechamento desta edição.

    Fonte: O Estado do Paraná
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org