Tribunais precisam se preparar para informatização

    walter-nunes-01Os tribunais precisam se preparar para receber o sistema de informática do Processo Judicial Eletrônico (PJE). A afirmação é do juiz federal Walter Nunes da Silva Junior, integrante do Conselho Nacional de Justiça e ex-presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), durante apresentação do protótipo das funções do sistema para a área criminal a representantes do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

    O marco legal para o PJE foi instituído em 2006, com a aprovação de projeto de lei de iniciativa da Associação dos Juízes Federais (Ajufe), apresentado em 2000. A fase mais complexa, segundo Walter Nunes, é a atual, de instalação de ferramentas eletrônicas. “Não estamos apenas informatizando, estamos automatizando o Judiciário”.

    A apresentação foi feita na última quarta-feira (10) com o objetivo de mostrar as novas ferramentas do PJE e trocar experiências e conhecimentos com os envolvidos no processo. A versão atual do PJE está em funcionamento como projeto piloto na Justiça Federal da 5ª Região.

    De acordo com Walter Nunes, o PJE não é simplesmente a troca de papel pelo sistema digital, mas sim a automação do serviço jurisdicional. O programa será colocado à disposição dos tribunais, gratuitamente, porém o conselheiro prevê a necessidade de equipamentos nas cortes e também a reorganização do quadro de pessoal das secretarias das varas.

    “Vamos ter a reengenharia das estruturas de funções a serem desempenhadas”. Isso porque várias tarefas feitas hoje manualmente por servidores deixarão de existir com a automação do serviço. Dessa maneira, os servidores terão de ser requalificados para o novo tipo de função. “Vamos precisar de mais juízes e menos servidores”, destacou o conselheiro.

    O processo em papel começa com a petição entregue à secretaria do juízo. A partir daí, é feita a autuação, ou seja, a colocação de capa e numeração das páginas com respectivas rubricas do servidor. Depois, o servidor coloca o carimbo de “conclusão” na última página, preenche a data, assina e encaminha o processo ao juiz para despacho.

    Enquanto o trabalho de juntar petições e documentos aos autos demanda muito tempo dos servidores, no processo eletrônico o trabalho manual será eliminado. Tudo será feito automaticamente pelo sistema de computação e o processo chegará mais rápido aos juízes, que vão precisar de mais assessores para atender à nova dinâmica.

    As funcionalidades na área criminal vão permitir, por exemplo, que a polícia e o Ministério Público encaminhem eletronicamente inquéritos e denúncias ao Judiciário. Para Walter Nunes, a automação reduz significativamente o trabalho burocrático da secretaria. Atualmente, um recurso demora em média seis meses para chegar ao Superior Tribunal de Justiça. O tempo é gasto nas etapas burocráticas de preparação do processo para encaminhamento ao tribunal. “A verdadeira reforma do Judiciário é a implantação do sistema nacional de processo eletrônico”, comentou Walter Nunes.

    Também participaram da reunião os juízes José Eduardo Junior e Danilo Pereira; o escrivão da Polícia Federal Ubiratan Sanderson; Flávio Visentini, da Justiça Federal do Rio Grande do Sul; os delegados federais Vladimir Rogério e Nilson Santos; José Carlos Abelaira e Sérgio Garcia, do TRF-4.

    Parceria

    O PJE foi desenvolvido pelo CNJ, sob a coordenação dos juízes auxiliares da Presidência do órgão, Marivaldo Dantas e Paulo Cristóvão Silva Filho, a partir da avaliação de iniciativas isoladas dos tribunais regionais das 4ª e 5ª regiões.

    O conselheiro Walter Nunes Silva Junior destacou que o TRF-5 desenvolveu um sistema para o Juizado Especial e, a partir dessa plataforma, foi desenvolvido o PJE por meio de software livre. Ele explicou que vários tribunais já possuem alguns serviços eletrônicos, como o recebimento de petições, porém, o documento eletrônico é impresso pela Justiça para montar o processo físico. Com o PJE, o processo será eletrônico do início ao fim.

    Por conta disso, afirmou o conselheiro, os tribunais precisarão de computadores com duas telas – uma para a leitura do processo e outra para o despacho do juiz – e de link com velocidade mínima de 2 mbps, conforme já regulamentado pelo CNJ, que dispõe de programa de apoio à modernização tecnológica do Judiciário.

    Fonte: CNJ
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org