Justiça Federal suspende empréstimo de R$ 3,7 bilhões da Celg

    A Justiça Federal de Goiás acatou ontem um pedido liminar de uma ação civil pública promovida pelo Ministério Público Federal e suspendeu o acordo firmado entre os governos federal e de Goiás referente a uma operação de transferência de R$ 3,7 bilhões para sanear a Centrais Elétricas de Goiás (Celg), que há anos vive situação pré-falimentar.

    Os dois principais motivos para a suspensão do acordo foram a incapacidade de endividamento do Estado de Goiás - o que impossibilitaria de celebrá-lo - e o desrespeito à Lei de Responsabilidade Fiscal, na medida em que o acordo ocorreu em outubro e é vedada a contratação de operação de crédito nos dois quadrimestres anteriores ao final do mandato do chefe do Poder Executivo.

    O acordo foi fechado mediante uma triangulação que envolveu o Palácio do Planalto, o governo goiano e a Eletrobras e considerado uma manobra do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tentar derrotar seu desafeto no Estado, Marconi Perillo (PSDB). A conclusão do acordo foi anunciada entre o primeiro e o segundo turnos da eleição em Goiás, na qual Perillo acabou vencendo o candidato do governo federal e goiano, o peemedebista Íris Rezende.

    Considero que estão presentes relevantes indícios de que o empréstimo contraído pelo Estado de Goiás teria sido autorizado e realizado sem a observância das normas legais que regem a matéria, afirma, em sua decisão, a juíza Luciana Laurenti Gheller, da 4ª Vara da Justiça Federal de Goiânia.

    Luciana acatou as provas apresentadas pelo Ministério Público na tentativa de demonstrar que não foi aferida corretamente a capacidade de endividamento do Estado de Goiás e dos riscos assumidos pela União para garantir o acordo. Os procuradores da República responsáveis pela ação também afirmaram que a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) assinalou que Goiás não atendera a todos os requisitos que atestassem sua capacidade de endividamento, mas que essa contastação não fora suficiente para que a STN desautorizasse o acordo.

    No pedido formulado à Justiça, a juíza descreve que pela Nota 775/2010/Corem/STN, os técnicos da STN, na avaliação do Programa de Reestruturação e Ajuste Fiscal do Estado de Goiás, apontaram várias circunstâncias e pendências que desaconselhariam a aprovação do programa, mas isso não obstou a manifestação favorável do Secretário do Tesouro Nacional pelo acolhimento/autorização das operações de crédito. Ela também escreve, relatando as alegações dos procuradores, que tais pendências também não impediram que o ministro da Fazenda chancelasse a nona Revisão do Programa de Reestruturação e Ajuste Fiscal do Estado de Goiás.

    A juíza aponta ainda que ausente informação nos autos em sentido contrário, ou seja, quanto à regularização da situação fiscal do Estado de Goiás, não podem ser desconsiderados indícios de que a operação creditícia tenha sido autorizada ao arrepio da lei.

    O governo de Goiás, por meio de sua assessoria, afirmou que a decisão não impede as negociações sobre o saneamento da Celg e que irá recorrer da decisão. Procurada, a Secretaria do Tesouro Nacional não se manifestou sobre a sentença.

    Fonte: Valor Econômico
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org