Jornal O Globo repercute com presidente da Ajufe a reforma do CPP

    o_globoO jornal "O Globo" divulgou em sua edição de hoje (8) duas matérias sobre a reforma do Código de Processo Penal (CPP) aprovada no Senado, na qual o presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Gabriel Wedy, expõe a preocupação dos magistrados com as mudanças sugeridas. “O projeto é um retrocesso e só favorecerá criminosos que podem contratar bons advogados para atrapalhar o andamento dos processos judiciais”.
     
    O novo Código prevê que só um juiz pode conduzir uma investigação até o oferecimento da denúncia pelo Ministério Público. A partir daí, o processo penal terá que ser oficiado por outro juiz. Essa duplicidade de juízes num mesmo processo poderá tornar a Justiça brasileira ainda mais lenta. Juízes poderão tomar decisões diferentes e provocar ainda mais controvérsias em um processo.
     
    Leia as matérias abaixo:
     
    Projeto do Código Penal vai favorecer 'políticos corruptos e grandes traficantes', diz presidente da Ajufe

    Jailton de Carvalho
     
    BRASÍLIA - O presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Gabriel Wedy, criticou duramente nesta quarta-feira o projeto de reforma do Código de Processo Penal aprovado na terça-feira à noite no plenário do Senado. Segundo ele, o projeto é um retrocesso e só favorecerá criminosos que podem contratar bons advogado para atrapalhar o andamento dos processos judiciais. O projeto, relatado pelo
    senador Renato Casagrande (PSB-ES) segue agora para a Câmara.
     
    - Isso ai vai favorecer a políticos corruptos e a grandes traficantes - disse Wedy.
     
    Pela proposta, um juiz só pode conduzir uma investigação até o oferecimento da denúncia pelo Ministério Público. A partir daí, o processo terá que ser oficiado por outro juiz. A duplicidade de juízes num mesmo processo tornará a Justiça brasileira ainda mais lenta. Juízes poderão tomar decisões diferentes e provocar ainda mais controvérsias em um processo.
     
    O projeto prevê ainda restrições à prisão especial. Pelo texto, só juízes, promotores ou procuradores continuam com direito à prisão especial. Outras categorias profissionais ou mesmo pessoas com curso superior não terão mais o privilégio.
     
    Senado aprova proposta que pode tornar a Justiça ainda mais lenta 
     
    O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira projeto de reforma do Código de Processo Penal que prevê a participação de, no mínimo, dois juízes em processos criminais. Pela proposta, um juiz só pode conduzir uma investigação até o oferecimento da denúncia pelo Ministério Público.
     
    A partir daí, o processo terá que ser oficiado por outro juiz. O projeto, que teve como relator o senador Renato Casagrande (PSB-ES), tem sido duramente criticado por juízes e procuradores desde o inicio de sua tramitação.
     
    Para dirigentes da Associação dos Juizes Federais do Brasil (Ajufe) e da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), a duplicidade de juízes num mesmo processo tornará a Justiça brasileira ainda mais lenta. Juízes poderão tomar decisões diferentes e provocar ainda mais controvérsias em um processo. O projeto, que segue agora para a Câmara, prevê ainda restrições à prisão especial. Pelo texto,
    só juízes, promotores ou procuradores continuam com direito à prisão especial.

    Outras categorias profissionais ou mesmo pessoas com curso superior não terão mais o privilégio.
     
    - Não terá mais prisão especial para uma pessoa só porque ela tem curso superior. Se um senador comete um crime, ele vai para uma cadeia comum - afirmou o promotor Tito Amaral, um dos integrantes da Comissão Especial que elaborou o projeto.
     
    O texto prevê ainda a criação de medidas cautelares alternativas à prisão. Hoje, quando uma pessoa está presa, o juiz do caso só tem duas opções : mantém a prisão ou manda soltar o acusado. Com as mudanças, o juiz poderá optar por uma situação intermediária como monitoramento eletrônico ou proibição do acusado de frequentar determinados lugares. Segundo Tito, a medida poderia desafogar parte do sistema penitenciário que abriga presos provisórios de baixa periculosidade.
     
    A reforma do Código de Processo Penal teve início com a decisão do presidente do Senado de criar, há dois anos, uma comissão especial para estudar o assunto. A comissão, presidida pelo ministro Hamilton Carvalhido, do Superior Tribunal de Justiça, sugeriu uma série de mudanças no código. Parte das sugestões,entre elas a duplicidade de juízes, foi incorporada ao relatório preparado pelo senador Casagrande e aprovado nesta terça-feira pelo plenário do Senado.
     
    Fonte: O Globo            

    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org