"O Globo" publica reação da Ajufe à ideia do Congresso de não reajustar subsídios

    o_globoA edição de sábado (11) do jornal "O Globo" trouxe, em sua chamada de capa, uma reportagem sobre o possível aumento de salários do presidente e vice-presidente da República, ministros de Estado e parlamentares.

    A matéria traz a reação do presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Gabriel Wedy, quanto à possibilidade do Congresso Nacional não reajustar os subsídios dos ministros do Supremo Tribunal Federal, que servem de parâmetro para toda a magistratura.

    Leia a íntegra da reportagem:

    CHAMADA DE CAPA
    Deputados aumentarão em 62% seus salários

    Se reajustes forem aprovados, Dilma ganhará 130% mais que Lula Globo_Salrios
     
    O Congresso prepara para a próxima semana, a última antes do recesso, a votação de um pacote de aumentos.

    Em causa própria, deputados e senadores votarão reajuste de 61,8% em seus subsídios - que seriam elevados de R$16,5 mil para R$26,7 mil. A proposta é equiparar os salários dos três Poderes. Com isso, a presidente eleita, Dilma Rousseff, poderá passar a ganhar também R$26,7 mil, elevando em 130% o valor hoje recebido pelo presidente Lula. Os ministros de Estado teriam reajuste de 134%. O aumento para o Judiciário não está no pacote, o que levou a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) a prever uma "crise institucional" entre Legislativo e Judiciário (Página 3).


    Texto principal

    Em causa própria

    Congresso se prepara para aumentar salários de presidente, vice, ministros e parlamentares
    Isabel Braga, Cristiane Jungblut e Adriana Vasconcelos

    Globo_Subsdios 
    BRASÍLIA - Na última semana de votações antes do recesso parlamentar que se estenderá até o fim de janeiro, deputados e senadores devem aprovar projeto de reajuste dos seus vencimentos e de salários do presidente da República e de ministros de Estado.

    O acordo ainda precisa ser fechado, e a ideia é concluir a  aprovação na quarta-feira, dia 15. A proposta que conta com apoio de maioria dos parlamentares promete polêmica, pois deixa sem aumento os ministros do Supremo Tribunal Federal e outros tribunais. Os reajustes seriam de 61,8% para deputados e senadores, e de 134% para presidente da República. No caso de ministros de Estado (do governo federal), o reajuste também seria de mais de 130%, mas os salários ficariam um pouco menor que o teto.

    Ao deixar sem reajuste os salários dos ministros do Supremo, a intenção do Congresso é justamente fazer a tão discutida e polêmica equiparação salarial dos três Poderes, deixando todos com o mesmo vencimento. No caso, o vencimento atual do ministro de Supremo ? que é de R$26,7 mil ? é considerado o teto do funcionalismo público.

    Juízes preveem "crise institucional"

    O problema é que o Judiciário, que já havia encaminhado ao Congresso projeto reajustando esses vencimentos em quase 15% (elevando-os para R$30,3 mil), não aceita ficar como está. No Legislativo e no Executivo, porém, o máximo que se admite para as autoridades do Judiciário, neste primeiro momento, é a correção da inflação, de 5,25%.

    Os ministros do Supremo evitam falar publicamente sobre o assunto, mas a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) reage à ideia do Congresso de não aplicar qualquer reajuste agora aos salários do Judiciário.

    - A Constituição, que determina a reposição das perdas inflacionárias do Judiciário ano a ano, será violada. A magistratura irá realizar assembleias extraordinárias nos primeiros meses do governo Dilma e greves e paralisações não estão descartadas. Certamente, a medida (votar o aumento dos parlamentares, sem votar o do Judiciário) vai gerar uma crise institucional entre o Legislativo e o Judiciário - afirmou, ontem, Gabriel Wedy, presidente da Ajufe.

    Se aprovada a proposta que conta com a simpatia da maioria, os parlamentares terão seus subsídios aumentados dos atuais R$ 16,5 mil para R$ 26,7 mil. Também passaria a receber este valor, a nova presidente da República - o salário atual de Lula hoje é de R$ 11,4 mil. Os ministros da Esplanada ganham atualmente R$ 10,7 mil.

    Para evitar desgaste do vice-presidente eleito e ainda presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), o ideal seria votar depois do dia 15, quando ele passará o comando da Câmara para o primeiro-vice, deputado Marco Maia (PT-RS). O governo já avisou que não aumentará o Orçamento do Legislativo para custear o aumento. O orçamento global das duas Casas, excetuando o Tribunal de Contas da União, será de R$7,4 bilhões em 2011.

    Somente na Câmara, o impacto do reajuste era estimado inicialmente em R$130 milhões, podendo variar dependendo do valor final da proposta. Atualmente, a Câmara gasta R$220 milhões para pagar os subsídios parlamentares. Além dos 513 deputados, a Casa possui 900 deputados aposentados. O Senado não informou o custo desse reajuste na Casa.

    O quarto secretário da Câmara, Nelson Marquezelli (PTB-SP), um dos poucos que defendem abertamente o reajuste, está confiante de que a questão será resolvida
    na terça-feira:

    - Primeiro vamos discutir qual será o processo. Somos obrigados a fazer (dar o reajuste) para a próxima legislatura. Existe uma expectativa grande dos líderes, falei com alguns e vou falar mais na próxima semana. Estamos estudando como garantir o aumento. Se vamos fazer economia com investimentos, corte no quadro ou se tentamos dotação suplementar.

    Ele defende a equiparação com o salário dos ministros do Supremo:

    - A minha proposta é equiparar ao salário do ministro do Supremo. É constitucional, temos que fazer de forma definitiva e não falar mais nisso. Equiparar com o do ministro, na lei. E o aumento do Judiciário ficará para março. Veja bem, presidente da República ganhando R$11 mil? Tem funcionário que ganha mais que ele.

    No Senado, oficialmente, o reajuste ainda não teria sido discutido pela Mesa Diretora. Em fim de mandato, o 1º secretário, senador Heráclito Fortes (DEM-PI), é um dos poucos que defendem abertamente o aumento. O desgaste que essa discussão sempre provoca junto a opinião pública até agora inibiu os senadores. A proposta em gestação na Câmara é vista com ressalvas.

    - Eu só concordaria com esse reajuste (de 61,83%) se acabarem com a verba indenizatória e o auxílio moradia pago aos parlamentares - adiantou ontem o vice-líder do PSDB, senador Álvaro Dias (PR). - Eu abri mão da verba indenizatória e do auxílio moradia, embora more em um hotel.

    Os aliados do tucano na Câmara não concordam.
    - Acho imoral a tese dos que defendem aumentar os subsídios parlamentares cortando das verbas indenizatória ou de gabinete. A verba indenizatória é para custeio do mandato e a de gabinete para pagar os salários dos funcionários. Subsídio é o que parlamentar recebe pelo trabalho dele - afirmou o 2º secretário da Mesa, deputado ACM Neto (DEM-BA).


    Fonte: O Globo

     

    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org