Manaus: Justiça solta camelô que tentou sacar R$ 5 milhões

    O TRF (Tribunal Regional Federal) da 1ª Região, em Brasília, concedeu a liberdade ao vendedor ambulante Edivaldo Lopes de Aguiar, que havia sido preso pela Polícia Federal em 28 de setembro, ao tentar sacar, com uma identidade falsa, R$ 5 milhões em uma agência bancária de Manaus (AM). A prisão de Aguiar levou a Polícia Federal investigar um suposto esquema de compra de votos na campanha eleitoral que envolveria as empreiteiras paulistas Emparsanco e Santher, empresa apontada pela PF como fantasma.

    Quebra de sigilo bancário determinada pela Justiça Federal apontou que os R$ 5 milhões haviam sido transferidos para a conta da Santher pela filial em Manaus da Emparsanco. Aguiar, segundo a PF, o camelô viajou de São Paulo para fazer o saque em Manaus. Ele apresentou-se na agência bancária como Francisco Edivaldo Lopes, sócio majoritário da Santher. A polícia diz que chegou a ele após uma denúncia de que os R$ 5 milhões seriam usados para compra de votos - não se sabe se no Amazonas ou se em outro estado.

    A PF investiga também uma licitação pública da Prefeitura de Manaus vencida pela Emparsanco. Em 2009, a empresa ganhou a concorrência para fazer a operação tapa-buraco. O Tribunal de Contas do Estado do Amazonas divulgou parecer de auditoria apontado que a prefeitura "pagou indevidamente serviços relativos ao montante e R$ 87.403.567,45" à empreiteira. Os auditores identificaram serviços de pavimentação não executados.

    "Igreja"

    Aguiar ficou preso por 78 dias na cadeia pública Raimundo Vidal Pessoa, no centro de Manaus. A maior parte do tempo, ele ficou em um cárcere chamado de igreja, destinado aos detentos com menos periculosidade. A soltura do vendedor ambulante é referente ao processo em que ele é réu por acusação de uso de documento falso. Com a decisão do tribunal, Aguiar vai aguardar o julgamento em liberdade. E terá que comparecer a todos os atos do processo, segundo a decisão.

    A defesa de Aguiar diz que ele tem endereço e trabalho fixos, em Manaus. O advogado dele, Sebastião Guimarães Filho, não quis falar com a reportagem. A Emparsanco disse que a Santher é fornecedora de materiais para obras. E que os pagamentos à empreiteira estão vinculados a notas fiscais emitidas pela Santher. A Santher nega que seja uma empresa fantasma. Diz que tem sede própria em São Paulo. Sobre o saque de Aguiar, afirma que ele é funcionário da empresa, mas não soube explicar por que o vendedor ambulante se apresentou com documento do sócio Francisco Edivaldo Lopes.

    Fonte: O Estado
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org