STJ nega HC a integrantes do Esquadrão da Morte

    Ação sobre crime praticado para atrapalhar investigação do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH) é de interesse da União. Logo, deve ser julgada pela Justiça Federal. O entendimento é da 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, que reconheceu a competência da Justiça Federal para julgar acusados de envolvimento na organização criminosa Esquadrão da Morte.

    A Turma negou o pedido de Habeas Corpus de cinco réus, que contestaram a legitimidade da esfera federal para o processamento do caso. Eles respondem a processo por homicídio qualificado, formação de quadrilha e atentado ou ameaça ao funcionamento do CDDPH, órgão vinculado ao Ministério da Justiça, que investigava a existência da organização criminosa no Acre.

    Para o relator do HC no STJ, ministro Og Fernandes, não há como negar a relação entre o homicídio e a intenção de perturbar os trabalhos da investigação. “Se o homicídio foi praticado, segundo a denúncia, com o objetivo de evitar que a vítima prestasse declarações ao referido Conselho de Defesa dos Direitos Humanos, de forma a impedir que aquele órgão federal descortinasse as práticas da organização criminosa, resta evidente que a infração penal maculou, de forma indelével, serviço e interesse da União”.

    O caso

    O bombeiro Sebastião Crispim da Silva foi assassinado em uma Casa de Forró em Rio Branco em 13 de setembro de 1997. Segundo o Ministério Público, o crime foi praticado para impedir que o bombeiro contribuísse com os trabalhos do CDDPH. O ex-deputado Hildebrando Pascoal é acusado de ser o mandante do crime e os autores do Habeas Corpus, os autores da execução. O motivo, segundo o MP, era assegurar a impunidade dos denunciados, suspeitos de praticar crimes relacionados ao tráfico de drogas e de atuarem na organização criminosa Esquadrão da Morte.

    Denunciados perante a Justiça Federal da 2ª Vara da Seção Judiciária do Acre, o caso foi transferido para a Seção Judiciária do Distrito Federal, pois os acusados entraram com recurso estrito perante o Tribunal Federal da 1ª Região com a alegação de inexistência de interesse da União e de competência federal no caso.

    O pedido foi negado pelo TRF-1, que confirmou o interesse da União no processo. “Homicídio de pessoa envolvida nos trabalhos de combate à violação de direito das pessoas humanas, atinge interesse da União”, considerou o acórdão do tribunal. O tribunal também afirmou que, sendo o CDDPH órgão do Ministério da Justiça, está configurada a prestação de serviço da União.

    Para reverter a decisão do TRF-1, os réus ingressaram com Habeas Corpus no STJ requerendo a nulidade do processo. Para a defesa, não houve comprovação da vulnerabilidade da União diante do homicídio praticado. O argumento não foi aceito. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

    Fonte: Conjur
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org