Demitido o chefe da PF na Papuda acusado de torturar presos

    Chefe do Núcleo de Custódia da Polícia Federal, localizado na Papuda, é afastado após denúncias de que detentos foram expostos a situações constrangedoras e a agressões. Dois agentes penitenciários também teriam cometido os abusos

    Presos amarrados sob o sol forte ou obrigados a ingerir água com detergente. Proibição de visitas, agressões físicas e confisco de objetos pessoais. Essas são algumas das denúncias de maus-tratos contra detentos do Núcleo de Custódia da Polícia Federal, localizado no Complexo Penitenciário da Papuda. Por conta de relatos apresentados pelas vítimas e por testemunhas, a Justiça decidiu intervir no comando do núcleo. O juiz Ricardo Augusto Soares Leite, da 10ª Vara Federal Criminal, determinou o afastamento do chefe da unidade, Avilez Moreira de Novais. Além de deixar o posto, o policial vai responder pelos crimes de abuso de autoridade e tortura, que preveem penas como perda do cargo, multa e prisão.

    A área de responsabilidade da PF dentro do terreno da penitenciária abriga acusados de crimes federais, como tráfico internacional de drogas, além de presos que aguardam extradição. O ativista italiano Cesare Battisti, por exemplo, ocupa uma das quatro celas do local. A investigação que motivou a queda de Avilez foi conduzida pelo Grupo de Controle Externo da Atividade Policial do Ministério Público Federal (MPF) no DF. Segundo a apuração dos procuradores, o então chefe do Núcleo de Custódia da Polícia Federal, com a ajuda de dois agentes e um preso provisório, teria cometido os abusos como retaliação a reclamações de detidos sobre o tratamento recebido. O MPF colheu as denúncias durante audiências judiciais e inspeções realizadas no local por procuradores desde abril do ano passado.

    No último dia 17, a Justiça Federal acatou parcialmente o pedido do MPF. Os procuradores haviam pedido o afastamento de Avilez Moreira de Novais e dos dois agentes penitenciários. Mas o magistrado da 10ª Vara Federal decidiu punir apenas o chefe do Núcleo de Custódia. Para o juiz federal Ricardo Augusto Leite, não há motivos suficientes para afastar os outros dois. Ressalto que o afastamento dos outros denunciados pode ser objeto de deliberação por parte da Superintendência da Polícia Federal, tendo em vista a autonomia das instâncias administrativa e penal , explicou o magistrado em sua decisão.

    Para Ricardo Leite, há indício suficiente de autoria e prova de materialidade dos fatos narrados contra o policial Avilez Moreira de Novais.

    Na decisão, o magistrado afirma ainda que a continuidade no cargo do chefe do Núcleo de Custódia da PF poderia gerar um clima de tensão, que não é recomendável em nenhum ambiente, ainda mais em se tratando de um estabelecimento penal .

    Avilez e os agentes penitenciários são acusados de cometer agressões físicas e psicológicas contra os detentos. Entre os abusos, estariam a suspensão arbitrária de visitas e do banho de sol, a retirada de colchões e de itens de uso pessoal e o fornecimento de água misturada com detergente aos presos. Vários contaram que tiveram diarreia e desidratação.

    Sem roupa

    Segundo a apuração, outro grupo de detentos teve de ficar apenas de cuecas sob o sol, por períodos superiores a três horas.

    Eles eram obrigados a se sentar de pernas cruzadas, com as cabeças baixas e as mãos algemadas. Com o calor intenso, dois passaram mal e foram atendidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Posteriormente, foram encaminhados ao Hospital Regional do Paranoá. Também há relatos de exposição dos detentos a situações degradantes. De acordo com os procuradores que investigaram as denúncias, os presos eram obrigados a correr nus pelos corredores da carceragem. As cenas podiam ser vistas no sistema fechado de câmeras de tevê da Papuda.

    Avilez havia sido nomeado para o cargo em setembro de 2009. Ele é agente de Polícia Federal de classe especial o nível máximo da carreira. O Correio procurou as assessorias de imprensa da Superintendência da PF em Brasília e da sede da instituição, que responde pela Corregedoria, mas a PF informou que não vai se pronunciar sobre a decisão da Justiça, nem sobre as denúncias de tortura.

    A reportagem também tentou contatar o chefe afastado do Núcleo de Custódia, mas não conseguiu localizá-lo. No processo que tramitou no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, não consta o nome do advogado que representou Avilez.

    Na decisão do último 17, o juiz Ricardo Augusto Leite determinou ainda o envio de um ofício ao Supremo Tribunal Federal (STF), pedindo o adiamento da extradição de um dos detentos do Núcleo de Custódia da PF. Trata-se de um cidadão irlandês, que deverá ser mandado para a Bolívia, onde é acusado de narcotráfico e lavagem de dinheiro. Ele foi preso no Aeroporto Internacional de Brasília, quando tentava embarcar para Portugal, levando drogas. O homem seria uma das vítimas da tortura e, por isso, deverá ficar no Brasil para prestar depoimentos.

    O STF ainda vai analisar o caso.

    Pandora

    Alguns presos da Operação Caixa de Pandora também reclamaram de maus-tratos durante o período em que ficaram no Núcleo de Custódia da Polícia Federal na Papuda. Os advogados de Geraldo Naves, Weligton Moraes e Rodrigo Arantes, todos acusados de suposta tentativa de suborno a uma testemunha da operação, procuraram a Superintendência da PF para reclamar das condições das celas e de constrangimentos sofridos.

    Denuncie

    Disque Direitos Humanos: 100

    Ouvidoria da Secretaria Nacional de Direitos Humanos: 2025-3116

    O que pesa contra o grupo

    Confira as acusações contra o ex-chefe do Núcleo de Custódia e os homens que o teriam ajudado:

    » Os presos eram obrigados a ingerir água com detergente.

    Vários teriam passado mal, sofrendo de diarreia e desidratação.

    » Objetos pessoais dos detentos e colchões eram confiscados.

    » As visitas previstas em lei eram proibidas de forma arbitrária.

    » Alguns detentos eram obrigados a se sentar de pernas cruzadas e mãos algemadas sob o sol quente, por mais de três horas. Dois deles tiveram insolação e foram levados ao Hospital Regional do Paranoá.

    » Os presos eram forçados a correr nus pelos corredores da penitenciária. As imagens foram flagradas no sistema interno de tevê.

    Ministra cobra punição

    A ministra da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, Maria do Rosário, defende a punição dos agentes públicos envolvidos em casos de tortura, como o do chefe afastado do Núcleo de Custódia da PF na Papuda.

    Devemos agir com indignação diante desses fatos. No Brasil, a tortura é crime inafiançável , afirmou a ministra.

    Não basta apenas tomar as medidas administrativas, como o afastamento do cargo. É preciso que os processos penais avancem , acrescenta Maria do Rosário, que defende ainda a implantação de planos estaduais de prevenção à tortura. No ano passado, a Secretaria Nacional de Direitos Humanos recebeu 79 denúncias de tortura. A maioria ocorreu em instituições como manicômios judiciários e presídios.

    O vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no DF (OAB-DF), Emens Pereira, que também preside a Comissão de Direitos Humanos da entidade, classificou as denúncias de tortura como assustadoras e estarrecedoras .

    Ele pretende acompanhar o caso e cobrar providências. Isso é um absurdo, o Estado é obrigado a garantir a dignidade dos presos. O afastamento do acusado é louvável e tem o apoio da OAB , explicou Emens. Agora, é preciso verificar se há outros envolvidos no caso. Vou determinar que a Comissão de Direitos Humanos acompanhe de perto essas denúncias e analise os autos do processo , acrescentou o vice-presidente da OAB-DF. (HM)

    ___

    Não basta apenas tomar as medidas administrativas, como o afastamento do cargo.

    É preciso que os processos penais avancem. Maria do Rosário, ministra da Secretaria Nacional de Direitos Humanos


    Fonte: Correio Braziliense
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org