Ex-deputado fica preso em Umuarama (PR)

    O minipresídio da 7ª Subdivisão Policial (7ª SDP) recebeu esta semana um detento inusitado. Nilton Cezar Servo, 56, - ex-deputado que possuí uma extensa ficha criminal - estava preso numa das celas mais seguras da cadeia pela alta periculosidade que representava. Transferido para a cidade a pedido da Polícia Federal de Guaíra, Servo passou mal, foi hospitalizado e precisou ser transferido na tarde de ontem (27) para Curitiba.

    Contra Servo pesa um processo de meados de 2010, da 2ª Vara Criminal Federal de Umuarama. O procedimento que corre em segredo de Justiça, aponta-o como chefe da máfia dos caça-níqueis do Mato Grosso do Sul.

    O ex-deputado foi preso em 19 de dezembro de 2010 num sítio em Aquidauana (MS) por policiais militares da Rotai (Rondas Ostensivas Táticas do Interior). De acordo com a polícia, ele estava foragido da Justiça Federal do Paraná, e tinha mandado de prisão em aberto pelos crimes de contrabando e formação de quadrilha. Desde então, Servo passou por uma série de transferências.

    "Ele foi removido para Guaíra, mas como o processo é de Umuarama pedimos ao delegado que o acolhesse ai [Umuarama]. Como ele precisa de atendimento médico, ele foi removido para o hospital penitenciário, em Curitiba e, quando se curar provavelmente será transferido novamente", explicou o delegado da Polícia Federal (PF) de Guaíra, Ricardo Cubas.

    Nilton Servo havia sido preso pela última vez em junho de 2010, por exploração do jogo ilegal. A prisão foi em Ponta Grossa (PR). Na ocasião, ele era suspeito de ser dono de bingos na cidade e teria mandado um funcionário atear fogo em uma casa de jogos de um grupo concorrente, na cidade de Paranavaí (PR).

    Em 2007, Nilton Servo foi alvo da Operação Xeque-Mate, que prendeu centenas de pessoas em Mato Grosso do Sul, acusadas de envolvimento com a jogatina. Ele é acusado de ser um dos chefes da máfia no Estado. Em julho de 2009, ele voltou a ser preso durante Operação Bituca, coordenada pela Delegacia da Polícia Federal de Guaíra (PR). Desta vez, acusado de chefiar uma organização criminosa responsável por contrabando e descaminho de cigarros.

    Histórico


    Nilton Servo foi deputado estadual entre 1991 e 1995 e suplente de um deputado federal do Mato Grosso do Sul.

    Além de ter sido deputado estadual no Paraná na legislatura de 1991 a 1995, Servo foi candidato a prefeito de Maringá em 1996, mas não foi eleito. Em 1998, candidatou-se a senador e novamente não teve sucesso. Já em 2002 obteve 12 mil votos como candidato a deputado estadual, mas novamente não foi eleito.

    A última campanha mal sucedida foi para o cargo de prefeito na cidade de Sorriso/MT.

    Ele havia sido preso em junho de 2007 pela Polícia Federal, em Uberlândia (MG), acusado de comandar a "máfia dos caça-níqueis" no Brasil.

    Depois disso, Servo voltou a ser preso em julho de 2009, em Uberlândia (MG). O ex-deputado foi acusado de chefiar uma organização criminosa responsável por contrabando e descaminhos de cigarros estrangeiros. A prisão ocorreu durante a Operação Bituca, que foi coordenada pela Delegacia da Polícia Federal de Guaíra.

    Fonte: Umuarama Ilustrado
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org