Processo de tombamento da mansão de Edemar é retomado

    Administrador da massa falida diz que processo seria uma apropriação dos bens dos credores do Banco Santos

    O despejo do ex-banqueiro Edemar Cid Ferreira, do Banco Santos, motivou o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico de São Paulo (Condephaat) a retomar o processo de estudo de tombamento da mansão na rua Gália, no Morumbi (zona sul da capital) e de todos os bens que estão dentro do imóvel - incluindo as obras de arte.

    O ofício foi publicado ontem no Diário Oficial e mexeu com o humor de Vânio Aguiar, administrador judicial da massa falida do Banco Santos. Segundo ele, o principal problema causado por um possível tombamento é que o valor do imóvel vai se depreciar e poucos investidores vão se interessar pela compra. Isso porque, no caso de tombamento, o proprietário não pode fazer nenhuma alteração no patrimônio. Num cálculo preliminar, o imóvel é avaliado em R$ 80 milhões.

    A retomada do processo foi motivada por um procedimento do Ministério Público Federal de São Paulo (MPF). Por meio de ofício, a procuradora Ana Cristina Bandeira Lins questionou a Unidade de Preservação do Patrimônio Histórico (UPPH) sobre o processo de avaliação do tombamento, iniciado em 2008.

    O primeiro a defender a ideia de que a mansão de Edemar e todas as obras de arte se tornassem um museu foi o então juiz federal Fausto Martin De Sanctis, recém-empossado como desembargador do Estado.

    "É uma apropriação dos bens dos credores do Banco Santos. Já foi decidido por instâncias superiores a quem pertence aquele patrimônio", diz Aguiar. Ele se refere a decisões do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF).

    O administrador judicial vai orientar o advogado da massa falida para que acompanhe o processo de tombamento e tente barrá-lo. No ofício, a coordenadora da UPPH, Marília Barbour H. Caggiano, se coloca à disposição para possíveis esclarecimentos de Aguiar e propõe o agendamento de uma vistoria.

    Para Aguiar, a mansão e as obras não têm características para o tombamento. A ex-casa de Edemar não têm aspectos históricos que justifiquem o tombamento e os quadros e esculturas, segundo os especialistas em arte, ao representarem escolas e estilos tão diferentes, estão longe de apresentar uma unicidade.

    Edemar foi despejado por falta de pagamento de aluguel à empresa Atalanta Participações e Propriedades Ltda, que pertencia à sua mulher, Márcia de Maria Costa Cid Ferreira. As investigações apontam para o desvio de dinheiro do Banco Santos para a Atalanta com o objetivo de construir a mansão - daí a Atalanta ter sido incluída na massa falida do banco, que quebrou em 2004.

    Fonte: O Estado de S. Paulo
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00
    TV Diário
    Terça-Feira às 00h45

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Informativo Ajufe
    Setembro de 2017

    Nesta edição, os 45 anos de fundação da Associação são homenageados. Além disso, o informativo traz também as últimas atividades realizadas pela Ajufe em 2017.

    Revista Direito Federal
    Revista de Direito Federal nº 96

    Nesta 96ª edição, a Revista Direito Federal disponibiliza os trabalhos individualmente, por autor. 

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 11

    Juízes federais que escrevem além das sentenças: em verso, rima, ritmo e métrica.

    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org