Interceptação Telefônica e telemática e liberdade de imprensa discutidos no Fonacrim

    Interceptação Telefônica e telemática e liberdade de imprensa discutidos no Fonacrim

    O juiz Federal Sérgio Fernando Moro fez a primeira palestra do segundo painel do dia sobre o tema “Interceptação Telefônica e telemática: excessos, vazamentos e liberdade de imprensa”. Sobre o assunto, o juiz disse ser difícil avaliar se há excessos no uso das interceptações telefônicas e telemáticas sem a análise de casos concretos.

    Para Sérgio Moro, “não podemos ter aquela visão do século XIX de que o Estado é o único violador dos direitos fundamentais. Temos que ter consciência de que o Estado também atua como protetor desses direitos”. O juiz avaliou que o uso desses métodos especiais de investigação se deve à evolução da criminalidade na atual sociedade contemporânea.

    O segundo palestrantes, o procurador da República Wellington Cabral Saraiva concorda com o posicionamento do juiz Sérgio Moro, mas com algumas ressalvas. Para ele, “é importante destacar que a interceptação telefônica nem sempre é um mecanismo eficaz para a obtenção de prova. Além disso, é preciso estimular que os juízes de 1ª Instância sejam rigorosos no exame das denúncias para, desta forma, evitar que os processos tramitem com vícios insanáveis”, afirmou o procurador.

    Ainda sobre o uso da interceptação telefônica, Wellington Saraiva disse que esse mecanismo especial de investigação não pode ser usada de forma abusiva, porém, acredita o procurador, “ela é essencial para combater a atual criminalidade do século XXI”. Durante o debate o procurador também levantou questões sobre a relação do judiciário com a mídia e sobre o vazamento de informações.

    Já o delegado da Polícia Federal Sandro Torres Avelar, outro integrante da mesa, focou sua exposição no “Estado Policial”. Ele explica que vemos diariamente afirmações de que o Estado brasileiro é policialesco. Contudo, essas afirmações se dão pela crença de que há a banalização do uso da interceptação telefônica e telemática, o que não é verdade.

    “Já coordenei a investigação de 500 casos e em apenas dois usamos esse recurso de investigação. É importante ressaltar que só usamos a interceptação telefônica quando esta é o último recurso. Não temos o interesse de beneficiar ou de prejudicar alguém. Aliás, ao usar essas ferramentas, só temos o objetivo de preservar e proteger a sociedade”, salientou.

    O último palestrante do painel foi o advogado da União André Mendonça. Durante sua palestra, o advogado defendeu a missão da imprensa como sendo a de “fiscalizar os governos e governantes e denunciar os desvios ocultos do poder”. Ainda de acordo com André Mendonça, não é possível se pensar em um Estado Democrático de Direito sem a liberdade de imprensa.

    O advogado da União também avaliou a imprensa como tendo papel fundamental no combate à corrupção e criticou àqueles que colocam a culpa na mídia pelo vazamento de informações. “Temos que ter responsabilidade com os dados que constam no processo, mas isso não significa que temos que cercear o trabalho da imprensa”. Foto: Kameni Kuhn

    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 12

    Agora em formato digital, a edição reúne verdadeiros talentos da Justiça Federal, que mostram seus dons musicais, poéticos, em versos e até em fotografias.

    Agenda Político-Institucional
    Agenda Político-Institucional 2018

    O documento lançado em 2018 reúne as principais demandas legislativas, administrativas e judiciais de interesse da Ajufe, além dos projetos de integração entre associação e o cidadão. O objetivo é dar transparência à estratégia de ações da magistratura federal junto aos Três Poderes e à sociedade.

    Informativo Ajufe
    Março de 2018

    A 38ª edição do Informativo da Ajufe traz as últimas atividades realizadas pela Ajufe entre o final de 2017 e o primeiro trimestre de 2018.

    Dúvidas, sugestões ou mais informações?

    Fale Conosco

    Dúvidas, sugestões ou mais informações? Entre em contato com a Ajufe. Queremos melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços prestados.

    Os campos com asterísco (*) são de preenchimento obrigatório.
    4 + 3 = ?
    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org