Curso de Direito Civil Comparadp Brasil - Alemanda começa no Rio de Janeiro

    Começou nesta quinta-feira, 01 de outubro, no Centro Cultural da Justiça Federal, na cidade do Rio de Janeiro, o Curso de Processo Civil Comparado Brasil – Alemanha, promovido pela Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe). Na rápida solenidade de abertura o presidente da Ajufe, Fernando Mattos, agradeceu a presença de todos, especialmente dos professores alemães, e destacou que a entidade faz muito mais do que defender os interesses da categoria e dos associados, pois, com eventos como este, a Ajufe se mostra atenta à capacitação dos magistrados.
    O coordenador do curso, juiz Federal Marcio Mafra, fez uma breve explicação sobre os principais aspectos do curso e ressaltou sua importância. “A gente tentou trazer o que há de melhor na Europa para cá para que a gente possa estabelecer um intercâmbio entre uma experiência de um Processo Civil já consolidado e o nosso. Esperamos que dessa troca possa surgir a possibilidade dos dois direitos se entenderem. Esse é o primeiro passo do estreitamento de uma relação. E a gente acredita que ao final desse curso poderemos encontrar novos caminhos, novas soluções para o Processo Civil brasileiro que é sempre tão criticado” disse.
    Após as explanações, o curso teve início com a palestra do Professor Stürner sobre o tema “Direito Processual e Culturas Jurídicas”. Durante pouco menos de duas horas o professor trouxe a origem histórica de três modelos processuais: o romano, da Comum Law e o germânico. Segundo o professor, na atualidade, está havendo uma certa confluência entre essas três experiências.
    O professor também falou sobre temas importantes como o acesso à justiça, a inquirição de testemunhas, divisão da relação entre juiz e partes e, principalmente, sobre a existência de juízes ativos e passivos. Sobre o tema o professor explicou que na relação entre juiz e testemunha, o juiz, em princípio, não tem poder para esclarecer aquilo que as partes não querem esclarecer. Ele apenas pode chamar atenção de que há lacunas e de que faltam provas.
    “O juiz ativo deve ter condições de cuidar que cada parte tenha possibilidade de cumprir todas as etapas do processo, mas sem interferência”, enfatizou o professor. Ainda segundo ele, o juiz deve permitir com que a testemunha conte sua história, e só depois disso pode tirar conclusões.

    Texto: Jair Cardoso
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 12

    Agora em formato digital, a edição reúne verdadeiros talentos da Justiça Federal, que mostram seus dons musicais, poéticos, em versos e até em fotografias.

    Agenda Político-Institucional
    Agenda Político-Institucional 2018

    O documento lançado em 2018 reúne as principais demandas legislativas, administrativas e judiciais de interesse da Ajufe, além dos projetos de integração entre associação e o cidadão. O objetivo é dar transparência à estratégia de ações da magistratura federal junto aos Três Poderes e à sociedade.

    Informativo Ajufe
    Março de 2018

    A 38ª edição do Informativo da Ajufe traz as últimas atividades realizadas pela Ajufe entre o final de 2017 e o primeiro trimestre de 2018.

    Dúvidas, sugestões ou mais informações?

    Fale Conosco

    Dúvidas, sugestões ou mais informações? Entre em contato com a Ajufe. Queremos melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços prestados.

    Os campos com asterísco (*) são de preenchimento obrigatório.
    4 + 3 = ?
    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org