Juiz que motivou fixação de prazo para depoimento de autoridades comenta importância da decisão do STF

    Juiz_que_motivou_fixao_de_prazo_para_depoimento_de_autoridades_comenta_importncia_da_deciso_do_STF

    O diretor do Foro da Seção Judiciária do Distrito Federal, juiz federal Marcus Vinícius Reis Bastos - que motivou a decisão do Supremo Tribunal Federal que fixou em 30 dias o prazo para que as autoridades que têm a prerrogativa marquem data e local para serem ouvidas como testemunhas em processos penais -, comentou hoje (27) a importância da decisão. Segundo o juiz, o entendimento do STF "põe um limite ao atraso indefinido verificado nos processos penais que envolvem autoridades com foro privilegiado e que dependem de seus depoimentos para prosseguir".

    A decisão do STF decorreu de questão de ordem apresentada pelo ministro Joaquim Barbosa, relator da Ação Penal 421, ao Plenário da Corte. O relator expôs aos demais ministros a dificuldade encontrada pelo juiz para ouvir o deputado Raul Jungmann (PPS-PE), uma das testemunhas indicadas pelo deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP). Segundo o juiz, em um ano Jungmann marcou cinco datas diferentes para depor, mas não compareceu em nenhuma das ocasiões, alegando motivos como dentista e compromissõs na Câmara dos Deputados.

    O juiz decidiu devolver a carta de ordem ao ministro Joaquim Barbosa, relatando a situação e informando que não houve a possibilidade de ouvir o parlamentar. A questão de ordem foi aprovada por unanimidade pelo Plenário do STF. Para Joaquim Barbosa, a prerrogativa prevista no artigo 221 do Código de Processo Penal tem como objetivo conciliar “o dever de testemunhar” com as relevantes funções públicas das autoridades listadas no dispositivo e não para permitir que essas autoridades deixem de testemunhar.

    De acordo com o dispositivo do CPP, presidente da República e vice, senadores, deputados federais, ministros de Estado, governadores, secretários de Estado, prefeitos, deputados estaduais, membros do Poder Judiciário e ministros do TCU tem a prerrogativa de marcar data, horário e local para depor como testemunha.

    A importância da decisão também foi destacada pelo presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Fernando Mattos. "Trata-se de uma medida que vem ao encontro do espírito da Emenda Constitucional nº 45/2004, que introduziu, como direito fundamental, o princípio da duração razoável do processo", afirmou. Para Mattos, a decisão do STF compatibiliza a prerrogativa da autoridade com o regular andamento do processo penal.


    Texto: Jair Cardoso/Virginia Pardal
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 12

    Agora em formato digital, a edição reúne verdadeiros talentos da Justiça Federal, que mostram seus dons musicais, poéticos, em versos e até em fotografias.

    Agenda Político-Institucional
    Agenda Político-Institucional 2018

    O documento lançado em 2018 reúne as principais demandas legislativas, administrativas e judiciais de interesse da Ajufe, além dos projetos de integração entre associação e o cidadão. O objetivo é dar transparência à estratégia de ações da magistratura federal junto aos Três Poderes e à sociedade.

    Informativo Ajufe
    Março de 2018

    A 38ª edição do Informativo da Ajufe traz as últimas atividades realizadas pela Ajufe entre o final de 2017 e o primeiro trimestre de 2018.

    Dúvidas, sugestões ou mais informações?

    Fale Conosco

    Dúvidas, sugestões ou mais informações? Entre em contato com a Ajufe. Queremos melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços prestados.

    Os campos com asterísco (*) são de preenchimento obrigatório.
    4 + 3 = ?
    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org