Entidades contestam resolução sobre promoções por merecimento

    CNJ_bannerA Ajufe, a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) protocolaram nesta quarta-feira (19) Pedido de Providências no Conselho Nacional de Justiça  (CNJ) requerendo a revisão de diversos dispositivos da Resolução nº 106 do CNJ, que disciplina as promoções por merecimento e o acesso aos tribunais. As entidades solicitam, ainda, que a vigência dos dispositivos impugnados seja suspensa até a decisão do pedido proposto por elas.

    Para as associações, a Resolução viola predicamentos da magistratura previstos na Constituição Federal, apresenta contraposições com jurisprudência do CNJ, ilegalidades e inconveniências, ferimento a Pactos Internacionais reconhecidos pelo Brasil e mesmo inconstitucionalidades materiais e formais.

    Quanto à natureza do ato de avaliação dos juízes, para fins de promoção, as associações questionam, entre outros pontos o que afirma que na avaliação da qualidade das decisões proferidas serão levados em consideração a pertinência de doutrina e jurisprudência, quando citadas. “Esse tipo de inserção em regra de promoções, como constou da regulamentação nacional, tende a gerar dependência intelectual e ideológica dos juízes em relação aos tribunais, o que macula por completo o livre convencimento e a liberdade de decidir”, ressalta o pedido.

    Ainda nesse sentido, as entidades também observam o item que afirma que o respeito às súmulas do Supremo Tribunal Federal e dos Tribunais Superiores também serão levados em consideração na avaliação da qualidade das decisões proferidas. “A regra confere caráter de obrigatoriedade, pela via antidemocrática do constrangimento aos juízes de se amoldarem à jurisprudência sumulada dos tribunais superiores, quando nem a Constituição Federal chegou a tanto”.

    As associações pedem, ainda, a exclusão do dispositivo que determina que na avaliação da produtividade serão considerados os atos praticados pelo magistrado no exercício profissional, levando-se em conta número de acórdãos e decisões proferidas em substituição ou auxílio no 2º grau, bem como em Turmas Recursais dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais. A questão, segundo afirmam as entidades, diz respeito, precisamente, a comparar, para fins de promoção, situações e atividades absolutamente incomparáveis, “quer do ponto de vista das características, quer pela estrutura funcional que, como já chega a ser de domínio público, separa em muito as condições de trabalho nas primeira e segunda instâncias”.

    São ainda objetos de questionamento por parte da Ajufe, Anamatra e AMB dispositivos que tratam da avaliação da presteza, como o que trata da assiduidade. As entidades destacam que os magistrados não têm horário de trabalho a cumprir. “Não se pode, por via oblíqua, impor controle de frequência aos magistrados. Se casos há de descumprimento de deveres funcionais, o caminho é o da atuação disciplinar específica, pontual e objetiva, mas não a generalização”.

    Com relação ao artigo que trata da avaliação do aperfeiçoamento técnico, as entidades contestam, entre outros dispositivos, o que afirma que os tribunais e conselho do Poder Judiciário deverão custear as despesas para que todos os magistrados participem dos cursos e palestras oferecidos, respeitada a disponibilidade orçamentária. As associações lembram que  alguns tribunais têm alegado falta de recursos para custear as despesas de formação de seus juízes e que a norma, como redigida, chancela esse tipo de conduta. “A proposta é inverter o compromisso do Administrador, de modo que esteja obrigado a dotar a unidade orçamentária de recursos a cada ano, dentro do planejamento estratégico e da sua execução financeira”, requerem.

    As entidades propõem também adequação de alguns dispositivos, como a inclusão expressa das escolas mantidas pelas associações de classe quando das informações a serem prestadas no processo promocional ou de acesso.

    Clique aqui para ler a íntegra do documento com todos os pontos contestados pelas associações.

    Texto: Anamatra
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 12

    Agora em formato digital, a edição reúne verdadeiros talentos da Justiça Federal, que mostram seus dons musicais, poéticos, em versos e até em fotografias.

    Agenda Político-Institucional
    Agenda Político-Institucional 2018

    O documento lançado em 2018 reúne as principais demandas legislativas, administrativas e judiciais de interesse da Ajufe, além dos projetos de integração entre associação e o cidadão. O objetivo é dar transparência à estratégia de ações da magistratura federal junto aos Três Poderes e à sociedade.

    Informativo Ajufe
    Março de 2018

    A 38ª edição do Informativo da Ajufe traz as últimas atividades realizadas pela Ajufe entre o final de 2017 e o primeiro trimestre de 2018.

    Dúvidas, sugestões ou mais informações?

    Fale Conosco

    Dúvidas, sugestões ou mais informações? Entre em contato com a Ajufe. Queremos melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços prestados.

    Os campos com asterísco (*) são de preenchimento obrigatório.
    4 + 3 = ?
    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org