Candidatos envolvidos na Máfia dos Sanguessugas vão mal nas urnas

    Tiveram desempenho fraco nas urnas os ex-parlamentares que respondem a processo na Justiça por suposto envolvimento com a Máfia dos Sanguessugas, desbaratada pela Polícia Federal em 2006. O melhor resultado foi obtido pelo ex-deputado federal Nilton Capixaba (PTB-RO), que retorna à Câmara como o terceiro deputado mais votado do estado. Ele fez 52 mil votos. Denunciado pela CPI dos Sanguessugas, Nilton Capixaba teve a cassação recomendada pelo Conselho de Ética da Câmara, mas o seu caso foi arquivado porque ele não conseguiu se reeleger em 2006 e deixou o mandato.

    Benjamim Maranhão (PMDB-PB) foi eleito deputado federal na Paraíba com 94,9 mil votos. Em Sergipe, Pastor Heleno (PRB) conseguiu a eleição com 61,5 mil votos. No Rio, Paulo Feijó (PR) assegurou a volta à Câmara com votação apertada: 22,6 mil votos, ficando na 45ª colocação. Josué Bengtson (PTB-PA) fez 112 mil votos e foi eleito no Pará. A situação dos quatro é idêntica. Como não foram reeleitos em 2006, não chegaram a ser julgados pelo Conselho de Ética, que avalia internamente o casos de deputados acusados de ilegalidades, irregularidades ou falta de decoro parlamentar.

    Sentindo a dificuldade de retornar ao Congresso, vários dos ex-deputados acusados pela CPI dos Sanguessugas tentaram uma vaga nas assembleias legislativas. Carlos Dunga (PTB-PB) conseguiu se eleger na Paraíba, obtendo 18,8 mil votos. Robério Nunes (DEM-BA), Raimundo Santos (PR-PA) e Vieira Reis (PRB-RJ) fracassaram. Outros tentaram voo ainda maior. João Correia (PMDB-AC) e Agnaldo Muniz (PSC-RO) disputaram uma vaga no Senado, mas saíram derrotados das urnas. Muniz chegou a fazer 187 mil votos em Rondônia.

    O Correio citou apenas os casos de ex-parlamentares que respondem a processo na Justiça. No caso daqueles que foram eleitos, o processo será agora transferido para o Supremo Tribunal Federal. Poderá surgir o questionamento sobre um possível julgamento pelo Conselho de Ética da Câmara, já que vários casos foram arquivados em decorrência da não reeleição em 2006. A reportagem não citou casos de ex-parlamentares que foram denunciados pela CPI, mas não respondem a processo judicial.

    Eleitores, os grandes juízes


    A Operação Sanguessuga foi deflagrada em 4 de maio de 2006. Foram presas 42 pessoas, entre empresários, servidores da Câmara e do Ministério da Saúde e ex-deputados. Entre os presos estava Luiz Antônio Vedoin, sócio da Planam, empresa pivô da quadrilha, como apontou o inquérito policial.

    O Correio já havia publicado reportagem, em dezembro de 2005, mostrando a atuação da Máfia das Ambulâncias em Rondônia e em mais quatro estados. Em Rondônia, o principal envolvido era o então deputado Nilton Capixaba (PTB).

    Nos meses seguintes, foi realizada a CPI dos Sanguessugas, que apontou o envolvimento de 72 parlamentares com a máfia. A maioria tentou reeleger-se em 2006, mas apenas cinco tiveram sucesso. Essa foi, até agora, a maior punição aos envolvidos. Por enquanto, apenas o ex-deputado Cabo Júlio foi condenado por improbidade administrativa pela Justiça Federal em Minas.

    Fonte: Correio Braziliense
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 12

    Agora em formato digital, a edição reúne verdadeiros talentos da Justiça Federal, que mostram seus dons musicais, poéticos, em versos e até em fotografias.

    Agenda Político-Institucional
    Agenda Político-Institucional 2018

    O documento lançado em 2018 reúne as principais demandas legislativas, administrativas e judiciais de interesse da Ajufe, além dos projetos de integração entre associação e o cidadão. O objetivo é dar transparência à estratégia de ações da magistratura federal junto aos Três Poderes e à sociedade.

    Informativo Ajufe
    Março de 2018

    A 38ª edição do Informativo da Ajufe traz as últimas atividades realizadas pela Ajufe entre o final de 2017 e o primeiro trimestre de 2018.

    Dúvidas, sugestões ou mais informações?

    Fale Conosco

    Dúvidas, sugestões ou mais informações? Entre em contato com a Ajufe. Queremos melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços prestados.

    Os campos com asterísco (*) são de preenchimento obrigatório.
    4 + 3 = ?
    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org