Juiz limita investigação de contas em Israel

    Srgio_MoroO juiz federal Sérgio Fernando Moro ordenou à Polícia Federal uma linha de corte nos valores relativos às contas que cidadãos brasileiros mantinham no Israel Discount Bank de Nova York.

    Moro declarou que o procedimento é normal e legal, já foi executado em outros casos de remessas de quantias para o exterior. O juiz não se lembrou do valor fixado para o corte. "Era valor baixo."

    Advogados de alvos da investigação da Polícia Federal dizem que o corte teria livrado correntistas que mantinham até US$ 200 mil no Israel Bank.

    No caso Israel Bank, a Receita fez um corte de até US$ 30 mil para correntistas sem vínculos com a administração pública e de até US$ 5 mil para correntistas servidores públicos. O juiz Moro acolheu pedido de arquivamento em relação a diversas contas porque tinham movimentação baixa ou seus titulares não residiam no Brasil ou, ainda, porque já eram alvo de rastreamento em outros processos.

    Banestado. O juiz, titular da 2.ª Vara Criminal Federal em Curitiba, determinou à Polícia Federal abertura de mais de 100 inquéritos criminais referentes a empresários, industriais e doleiros que enviaram ativos para contas da instituição financeira - um desdobramento do caso Banestado.

    O juiz mandou, ainda, que a Polícia Federal faça cruzamento de nomes para eventual identificação de agentes públicos. "Se for encontrado algum servidor na lista será aberto inquérito para investigar como ele obteve os recursos."

    O juiz Moro disse que foi da PF a proposta de limitação para agilizar os trabalhos. "Autorizei obedecendo a critérios seguidos nos casos similares, com verificação prévia dos correntistas para saber se, entre eles, não há funcionários públicos."

    Casos mais graves. Moro destacou que nos casos de somas pequenas, e diante do tempo que já transcorreu desde o encerramento das contas, não se justifica a abertura de inquérito. "É importante concentrar a apuração nos casos mais relevantes. É medida salutar que permite à Justiça e à polícia atuarem nos casos mais graves."
    Segundo ele, no episódio Farol da Colina - operação que levou à prisão 63 doleiros relacionados ao caso Banestado - foram identificadas mais de 10 mil pessoas físicas que enviaram valores a paraísos fiscais.

    Na Farol da Colina foram identificados servidores públicos e parlamentares como reais titulares de contas fora do Brasil. Contra eles, foram instaurados inquéritos para investigar a incompatibilidade de saldo com o contracheque.

    Fonte: O Estado de S.Paulo 
     

    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 12

    Agora em formato digital, a edição reúne verdadeiros talentos da Justiça Federal, que mostram seus dons musicais, poéticos, em versos e até em fotografias.

    Agenda Político-Institucional
    Agenda Político-Institucional 2018

    O documento lançado em 2018 reúne as principais demandas legislativas, administrativas e judiciais de interesse da Ajufe, além dos projetos de integração entre associação e o cidadão. O objetivo é dar transparência à estratégia de ações da magistratura federal junto aos Três Poderes e à sociedade.

    Informativo Ajufe
    Março de 2018

    A 38ª edição do Informativo da Ajufe traz as últimas atividades realizadas pela Ajufe entre o final de 2017 e o primeiro trimestre de 2018.

    Dúvidas, sugestões ou mais informações?

    Fale Conosco

    Dúvidas, sugestões ou mais informações? Entre em contato com a Ajufe. Queremos melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços prestados.

    Os campos com asterísco (*) são de preenchimento obrigatório.
    4 + 3 = ?
    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org