EUA: Militares aceitam ter colegas gays, diz Pentágono

    Um estudo realizado pelo Pentágono concluiu que a derrubada da lei que impede o ingresso de homossexuais assumidos nas Forças Armadas dos EUA pode causar confusão no início, mas não deve criar problemas generalizados de longa duração.

    A política, que é mais conhecida pelo nome "don't ask, don't tell" (não pergunte, não conte), está em vigor no país desde 1993, quando foi instituída pelo então presidente Bill Clinton.

    O estudo é baseado em uma pesquisa de opinião feita com 115 mil militares e 44 mil mulheres de militares. Dois terços dos entrevistados disseram não se importar com a derrubada da "don't ask, don't tell".
    Os cerca de 30% que se opuseram são militares que atuam em áreas de conflitos.

    O novo estudo fornece embasamento teórico aos democratas, que tentam derrubar a lei no Congresso.
    Porém, não há indicadores de que eles conseguirão vencer a oposição dos republicanos. Isso porque o ano legislativo americano está no fim, e, em 2011, os republicanos serão maioria no Congresso.

    "Estamos convencidos de que nossos militares podem fazer isso [se adaptar ao fim da lei], mesmo em tempos de guerra", escreveram os autores do estudo, Jeh Johnson, conselheiro do Pentágono, e o general Carter Ham.

    O secretário da Defesa, Robert Gates, e o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, almirante Mike Mullen, pediram pressa ao Congresso para analisar a proposta que acaba com a lei.

    A Justiça Federal dos EUA já tentou derrubá-la por meio de liminar, mas enfrentou resistência do governo.
    O presidente Barack Obama diz ser favorável à entrada de gays assumidos nas Forças Armadas, mas diz que a mudança deve acontecer por meio de uma decisão do Congresso e não por uma decisão da Justiça.

    Segundo Gates, uma mudança feita por decisão judicial aumenta o risco de divisões nas Forças Armadas.
    Isso porque, diferente de uma decisão do Legislativo, uma ordem judicial pode ser revogada no futuro, expondo os militares que assumirem sua homossexualidade.

    PESQUISA

    A pesquisa também foi dividida por funções militares. A maioria dos que apoiam a mudança exerce funções na retaguarda ou em unidades nos EUA.

    Pelo menos 40% das tropas que exercem funções diretamente ligadas ao combate são contrárias à aceitação dos gays assumidos. Esse percentual sobe para 58% entre os fuzileiros navais lotados em áreas de guerra.

    "Temos um cara que é gay. Ele é grande e já matou muitos caras maus. Ninguém se importou que ele fosse gay", diz um trecho do estudo atribuído a um membro das forças especiais dos EUA.

    Entre os militares gays ouvidos sob anonimato na pesquisa, somente 15% disseram que gostariam que sua orientação sexual fosse revelada aos colegas de unidade.

    Segundo Gates, se a lei for derrubada, os regulamentos não serão alterados nem serão previstas acomodações específicas para os gays nas bases militares.

    Fonte: Folha de S. Paulo
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 12

    Agora em formato digital, a edição reúne verdadeiros talentos da Justiça Federal, que mostram seus dons musicais, poéticos, em versos e até em fotografias.

    Agenda Político-Institucional
    Agenda Político-Institucional 2018

    O documento lançado em 2018 reúne as principais demandas legislativas, administrativas e judiciais de interesse da Ajufe, além dos projetos de integração entre associação e o cidadão. O objetivo é dar transparência à estratégia de ações da magistratura federal junto aos Três Poderes e à sociedade.

    Informativo Ajufe
    Março de 2018

    A 38ª edição do Informativo da Ajufe traz as últimas atividades realizadas pela Ajufe entre o final de 2017 e o primeiro trimestre de 2018.

    Dúvidas, sugestões ou mais informações?

    Fale Conosco

    Dúvidas, sugestões ou mais informações? Entre em contato com a Ajufe. Queremos melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços prestados.

    Os campos com asterísco (*) são de preenchimento obrigatório.
    4 + 3 = ?
    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org