TRF-2 derruba mandado de prisão contra ex-banqueiro Salvatore Cacciola

    CacciolaO ex-banqueiro Salvatore Alberto Cacciola está a um passo de conseguir autorização da Justiça do Rio para visitar familiares e trabalhar parte do dia fora do presídio Petrolino Werling de Oliveira (Bangu 8), onde cumpre pena de 13 anos de prisão. Ontem (13), os desembargadores da 2ª Turma do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (Rio e Espírito Santo) suspenderam, por unanimidade, um mandado de prisão preventiva decretada pela 2ª Vara Federal contra o ex-dono do Banco Marka, que responde a processo por crimes contra o sistema financeiro.

    Segundo o advogado do ex-banqueiro, Manuel de Jesus Soares, o mandado de prisão era o último obstáculo para que Cacciola pudesse ter acesso a benefícios conquistados com a progressão de regime fechado para semiaberto, concedida em novembro pela Vara de Execuções Penais (VEP) do Tribunal de Justiça do Rio.

    "Como havia um mandado de prisão contra o meu cliente, ele não teve os benefícios imediatos da progressão de regime. Mas agora vamos pedir à VEP os benefícios. Primeiro, visitas periódicas ao lar e, depois, trabalho em regime semiaberto", disse Soares.

    Para cassar o mandado de prisão, a defesa de Cacciola alegou que o Principado de Mônaco autorizou a extradição do ex-banqueiro com base no processo da 6ª Vara Federal, pelo qual cumpre pena de 13 anos de prisão. Ele não poderia responder, portanto, a outros processos. O mesmo argumento foi usado para cassar em novembro, em segunda instância, um outro mandado de prisão, este expedido na 5ª Vara Federal, onde o ex-banqueiro responde a processo por gestão temerária de instituição financeira.

    Ministério Público teme nova fuga de ex-banqueiro

    "Nossa expectativa agora é que Cacciola consiga liberdade condicional com o indulto que o presidente tradicionalmente publica no fim de ano. Faríamos um pedido à Justiça com base no decreto", disse Soares.

    O ex-dono do Banco Marka cumpre pena de 13 anos de prisão por crimes de gestão fraudulenta e desvio de dinheiro público após o socorro da instituição pelo Banco Central (BC), o que causou prejuízos de R$1,5 bilhão aos cofres públicos. A instituição estava alavancada, apostava mais do que seu próprio patrimônio, em contratos futuros de câmbio e quebrou com a maxidesvalorização do real em 1999.

    O Ministério Público Estadual (MPE) do Rio recorre atualmente em segunda instância contra a progressão de regime de Cacciola. No agravo, defende que o ex-banqueiro devolva aos cofres públicos o prejuízo provocado pelo socorro ao banco antes de progredir de regime. Nenhum centavo foi devolvido até hoje. O patrimônio de Cacciola conhecido pela Justiça brasileira resume-se ao que ele guarda em seu treliche em Bangu 8.

    No recurso, o MPE alega ainda que Cacciola tem um histórico de mau comportamento e não descarta que ele possa voltar a fugir, como aconteceu em 2000, quando, beneficiado por um habeas corpus, foi para a Itália. Ele só foi preso novamente em 2007, em Mônaco, pela Interpol.

    Fonte: O Globo
     

    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 12

    Agora em formato digital, a edição reúne verdadeiros talentos da Justiça Federal, que mostram seus dons musicais, poéticos, em versos e até em fotografias.

    Agenda Político-Institucional
    Agenda Político-Institucional 2018

    O documento lançado em 2018 reúne as principais demandas legislativas, administrativas e judiciais de interesse da Ajufe, além dos projetos de integração entre associação e o cidadão. O objetivo é dar transparência à estratégia de ações da magistratura federal junto aos Três Poderes e à sociedade.

    Informativo Ajufe
    Março de 2018

    A 38ª edição do Informativo da Ajufe traz as últimas atividades realizadas pela Ajufe entre o final de 2017 e o primeiro trimestre de 2018.

    Dúvidas, sugestões ou mais informações?

    Fale Conosco

    Dúvidas, sugestões ou mais informações? Entre em contato com a Ajufe. Queremos melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços prestados.

    Os campos com asterísco (*) são de preenchimento obrigatório.
    4 + 3 = ?
    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org