Justiça condena empresário por deixar de repassar à Previdência contribuições de funcionários

    SÃO PAULO - A Justiça Federal de Sorocaba condenou a 2 anos e sete meses de prisão o empresário Toshio Gyotoku, dono da Indústria de Pisos Tatuí, pela apropriação indevida de R$ 438.371 destinados ao INSS. O valor arrecadado dos funcionários entre dezembro de 1999 e janeiro de 2001 não foi repassado à Previdência Social, segundo ação penal proposta pelo MPF.

    A pena de prisão aplicada pela 2ª Vara Federal de Sorocaba foi convertida na prestação de serviços comunitários a uma entidade assistencial e ao pagamento de multa.

    De acordo com a Justiça, atualizado o valor chega a R$ 656.574,22 e deverá ser pago pelo condenado.

    A empresa alegou que a empresa atravessava perídoo de dificuldades financeiras e que o dono teria até mesmo vendido bens para pagar os funcionários. A defesa alegou também que o caso havia prescrito, com base artigo 115 do código penal, que prevê a diminuição do prazo prescricional pela metade quando o acusado, na data da sentença, possui mais de 70 anos.

    Porém, o juiz Marcos Alves Tavares, responsável pelo caso, descartou qualquer hipótese de absolvição sumária nas preliminares apresentadas pela defesa do acusado. A tese de que o caso havia prescrito em razão da idade do acusado não prosperou, já que ele só fará 70 anos em agosto.

    Além disso, Tavares acolheu a proposição do MPF, representado no caso pela procuradora da República Elaine Cristina de Sá Proença, de que as dificuldades financeiras do acusado não justificam o cometimento do crime.

    "Ao empresário cabe o risco do negócio, se não obtém os dividendos do sucesso, deve arcar com o ônus do revés. Aceitar como justificativa as dificuldades financeiras da empresa para o não repasse dos valores recolhidos de seus empregados ao INSS é aceitar a socialização dos prejuízos decorrentes da atividade econômica", afirmou o juiz na sentença.

    O juiz destacou que não foram apresentadas provas documentais suficientes para comprovar a utilização de bens pessoais no pagamento do salário dos funcionários e concluiu que o réu priorizou o pagamento de bancos ou fornecedores em detrimento do repasse da contribuição social descontada dos empregados. O réu poderá recorrer da decisão em liberdade.

    Fonte: Globo.com
    Programa
    TV Justiça
    Sábado às 16:30 Oi 21 | CLARO 05 | SKY 24 | NET 26 | VIVO/GVT 232
    Reprise:
    Segunda 11:00 | Quarta 11:00 | Sexta 11:00 | Domingo 15:00

    Boas Práticas na Justiça

    Cadastro

    Seja um Associado da Ajufe!

    Revista de Cultura
    Revista de Cultura nº 12

    Agora em formato digital, a edição reúne verdadeiros talentos da Justiça Federal, que mostram seus dons musicais, poéticos, em versos e até em fotografias.

    Agenda Político-Institucional
    Agenda Político-Institucional 2018

    O documento lançado em 2018 reúne as principais demandas legislativas, administrativas e judiciais de interesse da Ajufe, além dos projetos de integração entre associação e o cidadão. O objetivo é dar transparência à estratégia de ações da magistratura federal junto aos Três Poderes e à sociedade.

    Informativo Ajufe
    Março de 2018

    A 38ª edição do Informativo da Ajufe traz as últimas atividades realizadas pela Ajufe entre o final de 2017 e o primeiro trimestre de 2018.

    Dúvidas, sugestões ou mais informações?

    Fale Conosco

    Dúvidas, sugestões ou mais informações? Entre em contato com a Ajufe. Queremos melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços prestados.

    Os campos com asterísco (*) são de preenchimento obrigatório.
    4 + 3 = ?
    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org