CNJ lança cartilha para subsidiar prevenção a assédio e discriminação no Judiciário

    No mês de visibilização e prevenção do suicídio (Setembro Amarelo), o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) lançou, nesta semana, o documento “Assédio moral, sexual e discriminação – Política de Prevenção e Enfrentamento no Âmbito do Poder Judiciário”, uma cartilha didática com orientações práticas de como prevenir o assédio e a discriminação no Judiciário. A ação derivou de um episódio, ocorrido em 2016, no qual uma estagiária de um tribunal de justiça foi hostilizada por uma magistrada, durante uma sessão pública da corte.

    A cartilha traz conceitos e exemplos de casos práticos para situar as pessoas que atuam na Justiça sobre essas situações, que podem desencadear sofrimento mental e físico, além de ideias suicidas, ansiedade e depressão.

    O material foi desenvolvido pelo Comitê de Prevenção e Enfrentamento do Assédio Moral e do Assédio Sexual e da Discriminação no Poder Judiciário, composto pluralmente por magistradas e magistrados federais, do trabalho, eleitoral, da Justiça Militar, além de servidoras, colaboradoras e estagiária. Dentre os membros, fazem parte do comitê o desembargador federal Roger Raupp (TRF4) e a juíza federal Ana Lúcia Aguiar.

    Conheça a cartilha em: https://bit.ly/3BVZbi4

    Saiba mais em: https://bit.ly/2XcTkWX

    Com informações da Agência CNJ de Notícias

    Tags:
    Dúvidas, sugestões ou mais informações?

    Fale Conosco

    Dúvidas, sugestões ou mais informações? Entre em contato com a Ajufe. Queremos melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços prestados.

    Os campos com asterísco (*) são de preenchimento obrigatório.
    4 + 3 = ?

    Ajufe.org

    A Ajufe utiliza cookies com funções técnicas específicas.

    Nós armazenamos, temporariamente, dados para melhorar a sua experiência de navegação. Nenhuma informação pessoal é armazenada ou capturada de forma definitiva pela Ajufe. Você pode decidir se deseja permitir os cookies ou não, mas é necessário frisar que ao rejeitá-los, o visitante poderá não conseguir utilizar todas as funcionalidades do Portal Ajufe. Enfatiza-se, ainda, que em nenhum momento cria-se qualquer tipo de identificador individual dos usuários do site. Para demandas relacionadas a Tratamento de Dados pela Ajufe, entre em contato com privacidade@ajufe.org.br.