Ajufe participa da entrega do Prêmio Margarida de Boas Práticas em Equidade de Gênero no TRF5

    A vice-presidente da Ajufe da 5ª Região e integrante da Comissão Ajufe Mulheres, Polyana Brito, participou da entrega do Prêmio Margarida de Boas Práticas em Equidade de Gênero nesta terça-feira (13/9). A coordenadora da Comissão, Camila Pullin, e a juíza federal que coordena o Comitê de Incentivo à Participação Feminina do TRF5, Liz Azevedo, também estiveram presentes. A premiação foi realizada no Tribunal Regional Federal da 5ª Região - TRF5 e contou com a presença do presidente do TRF5, desembargador federal Edilson Nobre, e da desembargadora federal emérita da Corte, Margarida Cantarelli, cuja trajetória inspirou o Prêmio.

    Na categoria “Boas práticas de equidade de gênero no Poder Judiciário”, a inciativa vencedora foi a do desembargador federal Élio Siqueira Filho, do TRF5. Através do Ato nº 8/2022, o gabinete do magistrado solicitou à Corte que, nos casos de afastamento do desembargador, seja observada a alternância entre juíza e juiz federal nas convocações para substituí-lo, respeitados os requisitos previstos em lei. A ação tem o objetivo de estimular a igualdade entre mulheres e homens, garantindo uma participação equitativa no âmbito do Tribunal, bem como incentivar outras unidades a adotarem medidas semelhantes de promoção à equidade de gênero.

    Já na categoria “Boas práticas de equidade de gênero no Sistema de Justiça”, a premiação foi entregue à procuradora-chefe da Procuradoria da República no Rio Grande do Norte, Cibele Benevides Guedes da Fonseca, cujo projeto é a “Plena igualdade de gênero nos contratos administrativos do Ministério Público Federal do RN”. A prática busca incentivar o equilíbrio entre homens e mulheres nas contratações de terceirizados, preservando o mínimo de 50% de pessoas do gênero feminino. Hoje, a instituição conta com 13 colaboradoras do gênero feminino e 11 colaboradores do gênero masculino, distribuídos entre os contratos de vigilância, auxiliar administrativo, limpeza, copeiragem, carrego e descarrego, prestando serviços para a sede, em Natal.

    A reestruturação e expansão da Procuradoria Especial da Mulher da Assembleia Legislativa do Ceará foi a ação vencedora na categoria “Boas práticas de equidade de gênero nas instituições públicas em geral”. Idealizada pela procuradora especial da Mulher da Assembleia Legislativa do Ceará, Raquel Andrade do Santos, a ação tem o objetivo de promover a participação da mulher na política, incentivar o enfrentamento a todas as formas de violência contra a mulher e fortalecer a equidade de gênero. Entre as atividades desenvolvidas estão o “ZAP Delas”, que atende virtualmente mulheres em situação de violência; a criação das redes municipais de enfrentamento à violência contra a mulher; e a criação do Observatório da Violência de Gênero, que avalia e monitora dados da violência contra as mulheres priorizando grupos populacionais de mulheres negras, indígenas, quilombolas e povos e comunidades tradicionais.

    O Prêmio Margarida - O "Prêmio Margarida de Boas Práticas de Equidade de Gênero" foi idealizado pelo Comitê Regional de Incentivo à Participação Institucional Feminina no Poder Judiciário da JF5 e instituído através da Portaria nº 39/2022, da Presidência do TRF5. A premiação pretende reconhecer iniciativas e práticas de pessoas que se destacaram ou assumiram o protagonismo na implementação de ações particulares ou coletivas, voltadas à promoção da equidade de gênero, em qualquer dos seis estados que integram a JF5 (Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe).

    Dúvidas, sugestões ou mais informações?

    Fale Conosco

    Dúvidas, sugestões ou mais informações? Entre em contato com a Ajufe. Queremos melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços prestados.

    Os campos com asterísco (*) são de preenchimento obrigatório.
    4 + 3 = ?

    Ajufe.org

    A Ajufe utiliza cookies com funções técnicas específicas.

    Nós armazenamos, temporariamente, dados para melhorar a sua experiência de navegação. Nenhuma informação pessoal é armazenada ou capturada de forma definitiva pela Ajufe. Você pode decidir se deseja permitir os cookies ou não, mas é necessário frisar que ao rejeitá-los, o visitante poderá não conseguir utilizar todas as funcionalidades do Portal Ajufe. Enfatiza-se, ainda, que em nenhum momento cria-se qualquer tipo de identificador individual dos usuários do site. Para demandas relacionadas a Tratamento de Dados pela Ajufe, entre em contato com privacidade@ajufe.org.br.